Pular para o conteúdo principal

HAMAS ATACA ISRAEL COM FOGUETES; PRIMEIRO-MINISTRO DECLARA GUERRA

Por Josef Federman e Issam Adwan, Associated Press — via Valor

O Hamas, o grupo insurgente que governa a Faixa de Gaza, lançou um ataque múltiplo sem precedentes contra Israel na madrugada deste sábado(07), disparando milhares de foguetes enquanto dezenas de combatentes atravessavam a fronteira protegida por terra, mar e ar. A investida pegou o país desprevenido durante um feriado importante.

Seis horas após o início da invasão, os rebeldes do Hamas ainda travavam tiroteios dentro de várias comunidades israelenses, numa surpreendente demonstração de força que chocou o país.

O serviço de emergência israelense informou que pelo menos 22 pessoas morreram e centenas ficaram feridas no ataque, que é o mais mortal em anos.

O Centro Médico Soroka, na cidade de Beersheba, no sul de Israel, disse estar tratando pelo menos 280 vítimas, 60 delas em estado grave.

Em Gaza não havia informação oficial sobre vítimas, mas os repórteres da Associated Press testemunharam funerais de 15 pessoas e viram outros oito corpos chegarem a um hospital. Não ficou claro se eram combatentes ou civis.

As redes sociais ficaram cheias de vídeos de combatentes do Hamas desfilando pelas ruas no que pareciam ser veículos militares roubados e de pelo menos um soldado israelense morto dentro de Gaza sendo arrastado e chutado por uma multidão palestina furiosa que gritava “Deus é grande”.

Vídeos divulgados pelo Hamas pareciam mostrar pelo menos três soldados israelenses capturados vivos. O exército recusou-se a fornecer detalhes sobre vítimas ou sequestros enquanto continuava a combater os infiltrados.

"Guerra"

“Estamos em guerra”, declarou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, num discurso transmitido pela televisão, em que anunciou uma mobilização em massa de reservistas do exército. “Não em uma ‘operação’, não em um ‘assalto’, mas em guerra.”

“O inimigo pagará um preço sem precedentes”, acrescentou, prometendo que Israel “responderá ao fogo numa escala que o inimigo nunca conheceu”.

A grave invasão coincide com o Simjat Torá, um dia normalmente festivo em que os judeus completam o ciclo anual de leitura do seu livro sagrado, a Torá, e revivem a dolorosa memória da Guerra do Yom Kippur de 1973.

As comparações com um dos momentos mais traumáticos da história de Israel aguçaram as críticas a Netanyahu e aos seus aliados de extrema direita, que têm defendido medidas mais agressivas contra as ameaças vindas de Gaza. Comentaristas políticos criticaram o governo pela sua incapacidade de prever o que parece ser um ataque sem precedentes do Hamas devido ao seu nível de planeamento e coordenação.

Muitas outras mortes foram relatadas em ambos os lados, mas as autoridades não forneceram detalhes de imediato. A mídia israelense disse que dezenas de pessoas foram hospitalizadas no sul do país. O Ministério da Saúde palestino na Faixa de Gaza indicou que “muitos cidadãos” ficaram feridos, mas não deu dados específicos, e os alto-falantes das mesquitas transmitiram orações de luto pelos insurgentes mortos.

Infiltração com parapentes e pelo mar

Os militares de Israel atacaram alvos em Gaza em resposta a cerca de 2,5 mil foguetes que disparavam constantemente sirenes de ataques aéreos no extremo norte de Tel Aviv e Jerusalém, a cerca de 80 km de distância. O exército informou que suas forças estavam envolvidas em tiroteios com insurgentes do Hamas que se infiltraram em pelo menos sete locais. Os combatentes passaram furtivamente pela cerca da fronteira e até chegaram por via aérea - de parapente - e por mar, acrescentou.

Ainda não está claro o que motivou essa operação do Hamas, que ocorreu após semanas de tensões crescentes ao longo da fronteira da Faixa. O esquivo líder do braço militar do Hamas, Mohammed Deif, anunciou o início do que chamou de “Operação Tempestade Al-Aqsa”.

“Basta”, disse Deif, que não aparece em público, numa mensagem gravada na qual apelou aos palestinos de Jerusalém Oriental e do extremo norte de Israel para se juntarem à luta. “Hoje o povo recupera a sua revolução.”

Num discurso televisionado, o ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, afirmou que a milícia cometeu “um erro grave” e prometeu que “o Estado de Israel vencerá esta guerra”.

A ofensiva insurgente coincide com uma divisão histórica em Israel sobre a reforma judicial proposta pelo governo Netanyahu. Manifestações em massa contra o plano levaram milhares de pessoas às ruas e fizeram centenas de reservistas militares evitar o serviço voluntário – reações que levantaram questões sobre a preparação do exército para o combate e sua capacidade de dissuasão.

O ataque marca uma grande conquista – e uma escalada – para o Hamas e forçou milhões de israelenses a se refugiarem em locais seguros contra explosões de granadas e contínuos tiroteios com insurgentes. Cidades e vilas foram esvaziadas quando o exército fechou estradas perto de Gaza. Tanto o serviço de emergência israelense como o Ministério da Saúde palestino pediram à população que doasse sangue.

“Entendemos que isso é algo grande”, disse o tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz do exército israelense, aos repórteres, acrescentando que reservistas foram convocados.

Hecht não quis comentar como o Hamas conseguiu surpreender o exército. “É uma boa pergunta”, acrescentou.

Ismail Haniyeh, o líder exilado do Hamas, disse que os combatentes palestinos estavam “envolvidos nestes momentos históricos numa operação heroica” para defender a mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém e os milhares de prisioneiros palestinos mantidos por Israel.

Israel ergueu uma enorme cerca ao longo da sua fronteira com o enclave palestino para evitar infiltrações. A parede é larga e equipada com câmeras, sensores de alta tecnologia e equipamentos de escuta.

Israel mantém um bloqueio na Faixa desde que o Hamas, um grupo insurgente islâmico que se opõe a Israel, assumiu o controlo do território em 2007. Os inimigos ferrenhos travaram quatro guerras desde então. Além disso, registaram-se numerosos confrontos menores entre as tropas israelenses e o Hamas e outros grupos menores no território.

O bloqueio, que restringe a entrada e saída de pessoas e bens, devastou a economia de Gaza. Israel diz que é necessário impedir que grupos insurgentes expandam os seus arsenais, mas os palestinos dizem que isso equivale a uma punição coletiva.

Os lançamentos de foguetes ocorrem num momento de intensos combates na Cisjordânia, onde quase 200 palestinos perderam a vida em ataques israelenses neste ano. Israel afirma que a maioria dos mortos são insurgentes, mas as vítimas também incluíam jovens palestinos que atiravam pedras em protesto contra os ataques e espectadores inocentes.

Os ataques palestinos contra israelenses custaram a vida de mais de 30 pessoas desde o início de 2023.

Israel capturou a Cisjordânia, bem como Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza, na Guerra dos Seis Dias de 1967.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ADOLESCENTE É BALEADA COM TIRO NA CABEÇA NO MUNICÍPIO DE JUCURUTU (RN) E SEU ESTADO É GRAVISSÍMO

Uma adolescente de 17 anos foi baleada com um tiro na cabeça, no final da tarde desta quinta-feira (02), em Jucurutu. A adolescente, foi socorrida e encaminhada ao Hospital Maternidade Terezinha Lula de Queiroz, no municpio de Jucurutu. Seu estado de saúde é gravissímo. A Polícia Militar prendeu o suspeito pelo crime. Segundo informações da Polícia o homem tentou matar uma outra pessoa, conhecida por "Jó do Ouro" mas os tiros acertaram a adolescente. Adolescente estava no local acompanhada da mãe, quando o homem conhecido como  por "Flavino da Internet", chegou ao local e atirou em direção de "Jó" e acertou na cabeça da jovem.

CAICÓ: MOTOTAXISTAS SE ARTICULAM PARA REALIZAÇÃO DE PROTESTO

Segundo informações chegadas ao blog, um grupo de moto taxistas de Caicó, está se articulando para realizarem um protesto contra as novas normas para multas que vão ser aplicadas em Caicó. Segundo o que colhemos de informações, o protesto não será contra o excesso de velocidade. “Somos de acordo estabelecer um limite de velocidade. Agora o que foi dito sobre o que as câmeras de monitoramento vão filmar, que nem sacola podemos carregar?  Isso vai nos prejudicar, a maioria dos mototáxi são pais de família, que vão ser prejudicados”.  Disse um dos articuladores do movimento. Perguntamos sobre o dia e horário deste protesto, mas, fomos informados que eles ainda estão se organizando.   De Roberto Flávio

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.