Pular para o conteúdo principal

PETROBRAS ANUNCIA AUMENTO DE 7,5% DA GASOLINA PARA DISTRIBUIDORAS

 

A Petrobras anunciou que subirá os preços de venda da gasolina a distribuidoras em 7,5%, a partir de quarta-feira (25/1). Este é o primeiro aumento do preço da gasolina no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O indicado por Lula para a presidência da Petrobras, Jean Paul Prates, porém, ainda não assumiu o cargo. A política de preços alinhada ao mercado exterior é alvo de críticas do atual governo à empresa.

Segundo comunicado divulgado pela petroleira nesta terça-feira (24/1), o preço médio da gasolina às distribuidoras passará para R$ 3,31 por litro, o que corresponde a um aumento de R$ 0,23 por litro.

“Esse aumento acompanha a evolução dos preços de referência e é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações e da taxa de câmbio”, disse a Petrobras.

O último reajuste dos preços da gasolina havia sido realizado em dezembro, com redução de 6,1%. No patamar anterior, os preços da gasolina brasileira vinham sendo negociados abaixo dos preços do mercado internacional.

Os valores da gasolina cobrados nas bombas dos postos dependem não só dos custos nas refinarias, mas de impostos e margens de lucro de distribuidores e revendedores.

Regra de preços versus política

Para definir o valor do combustível, a Petrobras utiliza um cálculo instituído desde 2016, na presidência de Michel Temer, chamado de Preço de Paridade de Importação (PPI). Ele leva em conta elementos como a cotação do dólar, o valor do diesel e da gasolina no exterior e o custo de transporte dos combustíveis.

Essa regra, contudo, foi constantemente questionada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro durante seu mandato. Entre janeiro de 2019 e fevereiro de 2021, a estatal foi presidida pelo economista Roberto Castello Branco.
Ele foi substituído pelo general Joaquim Silva e Luna, que permaneceu no cargo até março de 2022. Ambos, porém, foram substituídos por causa de anúncios seguidos de reajustes nos valores dos combustíveis.

Deu em Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.