Pular para o conteúdo principal

BOLSONARO GASTOU CERCA DE R$ 100 MIL EM CADA MOTOCIATA COM CARTÃO CORPORATIVO

Imagem

Do Yahoo Notícias

Cada uma das motociatas realizadas pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) nos últimos quatro anos custou, em média, R$ 100 mil aos cofres públicos. Os gastos eram bancados por meio do cartão corporativo do governo federal.

A informação consta em notas fiscais apresentadas pela Fiquem Sabendo – agência de dados públicos especializada na Lei de Acesso à Informação (LAI). A empresa já havia divulgado anteriormente os gastos de Bolsonaro no valor de R$ 27,6 milhões em um dos cartões corporativos.

Gastos

  • O custo médio de cada motociata era de R$ 100 mil;
  • As despesas incluem hospedagem e alimentação;
  • Cerca de 300 militares acompanhavam o ex-presidente em cada passeio;
  • Evento exigia a presença de policiais militares, tropa de choque, socorristas e agentes do Exército;
  • Bolsonaro também realizava motociatas em período de férias, aumentando ainda mais os gastos no cartão corporativo.

Intuito. As motociatas, como foram apelidados os passeios de moto com apoiadores, eram realizadas com o objetivo de promover a imagem de Bolsonaro. As ocasiões não contavam com a divulgação de ações do governo.

Os eventos aconteciam em diversas cidades espalhadas pelo Brasil.

“Nem um centavo”. O ex-presidente disse, mais de uma vez, que nunca havia feito uso de um de seus três cartões corporativos, voltado a atender as necessidades pessoais dele. Outros dois, segundo o político, custeavam despesas diversas, como comida para 50 emas.

A jornalistas, disse que podia sacar até R$ 25 mil por mês, mas “nunca tirou um centavo” do cartão.

Padarias

O estabelecimento era o preferido de Bolsonaro para usar o cartão corporativo. Ele gastou:

  • R$ 364 em 24 compras na Santa Marta, no Rio de Janeiro;
  • R$ 126 mil em 102 compras na Tony e Thays, em São Paulo.

O ex-presidente também desembolsou cerca de R$ 8 mil com sorvetes, R$ 3 mil em lanches no McDonalds, R$ 109 mil no restaurante Sabor da Casa – que oferece marmitas a partir de R$ 17 –, R$ 408 mil em peixarias, entre outros gastos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.