Pular para o conteúdo principal

"AMERICANAS ESTÁ MORTA". DIZ ESPECIALISTA EM REESTRUTURAÇÃO DE EMPRESAS



Com mais de R$ 40 bilhões em dívidas, a empresa informou que sua posição de caixa é de R$ 800 milhões, dos quais “parcela significativa (…) estava injustificadamente indisponível para movimentação na data de ontem”.

Instituída no Brasil em 2005, a recuperação judicial é um processo no qual a empresa consegue, sob mediação da Justiça, um prazo maior para evitar a falência e continuar operando enquanto negocia com seus credores.

À Justiça, a empresa apresenta, entre outras informações, o balanço financeiro dos últimos três anos e a lista de credores. Após o pedido ser aceito, a companhia tem 60 dias para apresentar o plano de recuperação, e as execuções são suspensas por 180 dias.

Para Max Mustrangi, sócio da consultoria Excellance-Gestão de Turnaround e Reestruturação, especializada em reestruturação de empresas, a Americanas é uma empresa “morta”, sem perspectiva futura.

“É uma empresa morta. Ela estava sendo mantida viva artificialmente no tubo de oxigênio […] Existe um conceito em finanças chamado ‘sunk cost’ (custo afundado, em português). Você não coloca mais dinheiro em cima de custo afundado. Perdeu, playboy! Se tem dinheiro bom, vai colocar em outro lugar, não vai gastar para recuperar um defunto. Por isso a relutância do controlador [Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira] de colocar dinheiro nela. Ele sabe que não vale nada”, afirmou.

Mustrangi disse estar preocupado com a onda de demissões que deverá vir a seguir, dado que a empresa tem cerca de 48 mil funcionários. Segundo ele, é natural em um processo de recuperação judicial que a empresa anuncie o fechamento de pontos de venda deficitários e desligamento em massa de funcionários antes de acionar a Justiça.

“Toda a dívida trabalhista que vai vir do pagamento você coloca no plano da RJ [recuperação judicial]. É preciso aguardar todo o trâmite de negociação do plano, que demora meses. Você ganha esse espaço de tempo para salvar caixa e ainda parcela a dívida trabalhista em 12 meses”, explicou.

Mustrangi também acredita que o processo envolvendo a Americanas deve abalar a oferta de crédito para as empresas no mercado brasileiro.

“O reflexo da Americanas como financiamento de capital de giro para o mercado vai ser estúpido, o que vai gerar outras ondas de perda de liquidez e de recuperação judicial”, afirmou.

O Antagonista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.