Pular para o conteúdo principal

"PARTIDO DA IGREJA CATÓLICA É O EVANGELHO", DIZ ARCEBISPO DE NATAL

Em 2022, o cenário eleitoral vive uma polarização política que atinge inúmeros setores da sociedade. Em um País cuja Constituição Federal determina um estado laico, até as instituições religiosas, como a igreja católica, passaram a ser atingidas pelos debates na disputa presidencial entre Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT).Em entrevista ao AGORA RN, Dom Jaime Vieira, arcebispo metropolitano de Natal, falou sobre o papel de neutralidade da Igreja Católica na eleição presidencial, do momento histórico na disputa entre os dois candidatos, sobre como o eleito deve olhar o RN e o Nordeste e também sobre a reeleição de Fátima Bezerra (PT) e Rogério Marinho (PL) ao governo e Senado respectivamente.

O arcebispo seguiu o ponto de vista de analistas políticos que definiram que esta é a eleição presidencial mais importante para o país desde o nascimento da República. “Então é muito importante que tenhamos esta clareza. Eu não posso porque se eu for fazer escolha, eu digo que sempre é importante que [os candidatos] tenham sensibilidade social. Nós valorizamos o negócio, o lucro, a exportação, o mercado, o capital, mas é preciso que o povo esteja como prioridade um. O bem-estar e as condições necessárias”, observou.

Ele fez questão de ressaltar a atuação da Igreja com um papel apartidário. “A igreja está aberta e pregando esta isenção político-partidária sem deixar, sem abrir mão do seu papel e da sua missão de se colocar a serviço do bem comum. Quem me pergunta, e me rotula de partido A, B ou C, o meu partido é o Evangelho. Fui e serei sempre do partido do Evangelho. Louvo e bendigo os que têm o poder econômico, as grandes empresas, as pessoas são bem-sucedidas, mas também é preciso que haja sensibilidade. Se houver sensibilidade de todos os candidatos para os mais necessitados, os direitos fundamentais da pessoa humana, tudo estaria resolvido. Seria mais fácil fazer uma opção”, apontou.

No âmbito regional, Dom Jaime Vieira afirmou que, independentemente de quem vença, os nordestinos devem ser vistos com dignidade. “O Nordestino é bastante pisoteado, desrespeitado, ridicularizado. E é uma região de uma história tão rica, população riquíssima, de homens públicos em todos os níveis, na literatura, política, na economia. Então o que nós esperamos, pelo Rio Grande do Norte é que olhem para o Nordeste e para nosso estado com um olhar de responsabilidade social. Quem ganhou está legitimado democraticamente e é o presidente de todos, por isso é importante que quem governe, governe para todos”, avalia.

Ainda conforme o arcebispo, o Rio Grande do Norte tem muitas fontes de geração de riquezas, como a geração de energia eólica, extração e refino de petróleo, no entanto as empresas devem ter uma visão social. “Bendigo e respeito, sou muito favorável aos empresários, pessoas que lutam, vencem, que dão vida econômica ao estado, mas que tenham essa sensibilidade de olhar para aquelas que têm oportunidade de estar diante de algum representante do governo federal, eu digo com muita clareza, que vejam, se lembrem do Nordeste e também nos rejam com essa sensibilidade social olhando para todos e certamente teremos também a nossa vez em termos de poder ter mais esperança, porque a pobreza aumenta, a miséria, os grandes projetos foram interrompidos e também recomendo aqueles com que tenho contato, que assumam políticas, defendam, conservem, avancem nas políticas de nação e não apenas de partido”, afirma.

Questionado sobre as campanhas de Bolsonaro e Lula, Dom Jaime Vieira apontou que a torcida é para que o povo exerça o direito democrático e, inclusive. Incentivou o voto. “Meus votos é que a campanha seja bonita, digna, que a nação toda se manifeste. Se eu tivesse que fazer campanha, faria essa de pedir ao povo que vote. Ninguém deixe de votar. Até para fazer um registro, quando as pessoas eram levadas pelos cabos eleitorais, elas diziam que iriam votar ao final do dia para não perder valor, porque quando não votava, perdia o seu valor. É preciso que nós valorizemos ao máximo este poder de lutar por um Brasil justo, fraterno, solidário e que seja a pátria de todos”, finalizou.

No RN

O religioso também comentou de forma superficial os resultados das eleições de figuras da política potiguar, como a reeleição de Fátima Bezerra. “Ela tem uma folha de serviços prestados ao Estado, ao Nordeste sobretudo, eu não posso negar de modo nenhum o investimento na educação, ela chegou a ser presidente da Comissão para a Educação da Câmara e do Senado, é uma comissão muito importante. Eu lembro que no meu tempo de jovem, eu só conhecia a escola industrial aqui de Natal, ali na Rio Branco. Hoje, temos um benefício muito importante – oxalá que seja valorizado e investido e se desenvolva bem – que são os Institutos Federais, educação técnica. Isso, para mim, é muito importante. Ela dá a impressão que procurou [governar] com muita simplicidade, ela não tem nenhuma vaidade, não se vale do cargo para benesses e se dedica a tentar governar para atender aquilo que são as necessidades mais urgentes do nosso povo”, comentou.

Em relação a Rogério Marinho, o sacerdote afirmou que conhece a família do Senador, e que ele será um bom representante para o Estado no Senado. “É uma pessoa de valor que poderá, se tiver sensibilidade, isenção e tiver visão de cidadania, as pessoas e os políticos devem pensar grande, serem pessoas que estão acima daquilo que é uma posição precária, mais mesquinha”, finalizou.

Do Agora RN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.