Pular para o conteúdo principal

VERGONHA NACIONAL: LULA E BOLSONARO NÃO APRESENTAM PROPOSTAS CONCRETAS PARA DAR FIM A MISÉRIA NO PAÍS

 


Em tempos de carros autônomos, inteligência artificial e até de turismo no espaço, a realidade em Serrano do Maranhão parece coisa de outro mundo.  O município de 15 000 habitantes é exemplo da tragédia brasileira: mais de 80% da população depende de alguma ajuda do governo para ter o que comer. Na semana passada, havia um clima de euforia entre os moradores da cidade com o início do pagamento do novo Auxílio Brasil, que passou de 400 para 600 reais. Formaram-se filas no posto da Caixa Econômica, na lotérica e nos mercadinhos. 

Um açougueiro da região, que abatia um boi por dia, comemorava o abate de dois. Com a renda duplicada, ele quitou a dívida na mercearia, que, por sua vez, encomendou uma remessa extra de arroz e feijão para abastecer as gôndolas do negócio.  A economia girou — e deve continuar assim pelo menos até o fim do ano, quando está programado o pagamento da última parcela do benefício majorado, cujo valor extra pode ser estendido. As informações são da seção Cartas ao leitor, da Revista Veja, que traz um resumo sobre “As estratégias de Bolsonaro e Lula para conquistar o voto dos mais pobres”, matéria de capa desta semana, assinada pelo repórter Hugo Marques.

Cenários como o da pequena Serrano serão palco da batalha que pode decidir quem vai ser o próximo presidente da República. Um dos mais antigos problemas estruturais do país, a miséria cresceu nos últimos anos, em movimento que coincide com as crises econômica e sanitária decorrentes da pandemia. No fim de 2021, o número de brasileiros abaixo da linha da pobreza bateu recorde: 23 milhões de pessoas vivendo com menos de 210 reais por mês. 

A fome passou a atingir 33 milhões de cidadãos. Em segundo lugar nas pesquisas, Jair Bolsonaro lançou recentemente um pacote bilionário de benefícios.  De julho para agosto, mais de 2 milhões de famílias foram incluídas no Auxílio Brasil. Agora, são 20,2 milhões de famílias que contam com o apoio federal para mitigar os efeitos da crise. No mundo real, o programa de benefícios é um paliativo, embora necessário, destinado a garantir a sobrevivência dos mais pobres. No universo eleitoral, é uma arma poderosa de que Bolsonaro dispõe para tentar conquistar o voto desses brasileiros, que representam 53% do eleitorado.

Evidentemente, seus adversários sabem do potencial de medidas assistenciais anunciadas às vésperas das eleições. Lula, por exemplo, já declarou que, se eleito, não só dará continuidade ao pagamento do auxílio como estuda ampliá-lo para outras categorias. Ninguém pode ser contra as medidas emergenciais, mas o que será feito para transformar a realidade dessas pessoas?

Há décadas, fome e miséria servem de combustível para a demagogia — e não há no horizonte perspectiva de mudança. Fora as trivialidades de sempre, os candidatos não apresentaram até agora propostas concretas para dar um fim a essa situação. A julgar pelo desinteresse, o que existe é a defesa da perpetuação de uma vergonha nacional. 

Em Serrano, na semana passada, a dona de casa Maria de Fátima Coimbra, de 33 anos, estava ansiosa para receber os 600 reais. Na verdade, desesperada. O suprimento da família — ela tem seis filhos — se resumia a caranguejos e um punhado de farinha.  “Tem dia que a gente almoça, mas não janta”.

Maria de Fátima faz parte da segunda geração do assistencialismo.  A mãe dela, hoje aposentada, foi beneficiária do antigo Bolsa Família, o programa criado pelo PT. Se nada for feito para mudar essa dinâmica, que passa por educação e empregos, essa triste realidade provavelmente continuará por mais algumas gerações — e diversas eleições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.