Pular para o conteúdo principal

INÍCIO DE CAMPANHA É MARCADO POR "GUERRA SANTA" ENTRE LULA E BOLSONARO


F

“Demônios”, “fariseus”, “diabos”, “Deus acima de tudo”, “terrorismo religioso”, “Bolsonaro usa Deus, Deus usa Lula”. As frases ditas pelos dois candidatos que lideram as pesquisas para a Presidência da República nesta largada de campanha remetem a uma “guerra santa” para angariar votos de fiéis.

Para Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição, manter a hegemonia entre o eleitorado evangélico representa uma chance de virada sobre o ex-presidente Luiz Inácio Inácio Lula da Silva, candidato do PT e líder nos levantamentos. Já o petista vê a possibilidade de ganhar no primeiro turno caso cresça no segmento.

Pesquisa Ipec divulgada na segunda-feira (15/8) mostrou que Bolsonaro tem 47% das intenções de voto entre evangélicos – uma vantagem considerável em relação ao ex-presidente Lula, que aparece com 29% nessa faixa do eleitorado. No cômputo geral, Lula obteve 44% da preferência. Bolsonaro, 32%.

A “guerra santa” também inclui as esposas dos dois candidatos. Evangélica, Michelle Bolsonaro inaugurou a provocação, ao discursar em Belo Horizonte, há duas semanas, dizendo que o Planalto era “consagrado a demônios”.

“Podem me chamar de fanática, podem me chamar de louca. Eu vou continuar louvando nosso Deus. Vou continuar orando. Porque, por muitos anos, por muito tempo, aquele lugar (Palácio do Planalto) foi consagrado a demônios”, disse.

O petista lembrou a gestão da pandemia de Covid-19 e acusou Bolsonaro de ser “negacionista”. “Não acreditou na ciência, não acreditou na medicina, não acreditou nos governadores. Bolsonaro, você acreditou na sua mentira, porque, se tem alguém que é possuído pelo demônio, é esse Bolsonaro, que é um mentiroso”, ressaltou Lula.

O petista rebateu insinuações de que o PT fechará igrejas e acabará com a Marcha para Jesus, explorada por Bolsonaro durante o período de pré-campanha.

METRÓPOLES

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.