Pular para o conteúdo principal

[ARTIGO] O MÉTODO PASTORAL - POR PADRE MATIAS SOARES

Foto: Reprodução/Instagram

No processo de construção das práticas pastorais é cada vez mais premente que assumamos o imperativo de termos método pastoral. Aliás, a evangelização sem um objeto, uma sistematização, um desenvolvimento, monitoramento e avaliações constantes, não é uma ação pastoral, enquanto agir orgânico e contínuo da Igreja. Mesmo que partamos do paradigma das ações de Jesus de Nazaré, o Bom Pastor (cf. Jo 10). Mas, sempre atentos ao todo do projeto missionário e pastoral de Jesus Cristo, aquele que é o Senhor, devemos voltar as mentes e os corações ao seu agir, considerando todos os evangelhos. O nosso estilo pastoral, enquanto Igreja, precisa ter na metodologia jesuânica o seu modelo. Podemos dizer que o rosto pastoral das ações eclesiais, se não for moldado ao jeito próprio de Jesus, não será protagonizado pelo Espírito Santo, o Defensor (cf. Jo 16,7).  Nesse sentido, a proposta que nos é apresentada pelo Papa Francisco sobre a sinodalidade, com seus elementos constitutivos, é o modo de operar que foi revolucionário na história do cristianismo, a começar pelas primeiras comunidades (cf. O livro dos Atos dos Apóstolos). A leitura desta obra tem muito a nos dizer sobre a metodologia pastoral.

No contemporâneo, a Igreja tem no Concílio Vaticano II os referenciais teológicos – eclesiológicos – para orientar a sua práxis pastoral. Estudemos, internalizemos, aprofundemos a sua mensagem, com o coração aberto a uma “justa hermenêutica”. A denúncia profética feita sobre o ‘clericalismo’ é um modo de dizer que o Concílio ainda não foi assumido por muitas Igrejas Locais de toda a catolicidade, especialmente, por muitos de nós, que somos ministros ordenados. Ela, a Igreja, não é constituída por um projeto de governo democrático. O seu programa não é político. Menos ainda, a mesma não é uma ONG. Na Igreja existe uma ‘sucessão apostólica’. Nela, a constituição hierárquica faz com que estejamos com Pedro e sob Pedro – cum Petro e sub Petrum – juntamente com os demais Bispos, que estão em comunhão com ele, formando assim o colegiado universal da sucessão apostólica. Quando na Igreja há quem não aceite essa comunhão com o Sucessor de Pedro e nega essa prerrogativa da catolicidade, torna-se um ‘cismático’. Esse adendo é necessário para pensarmos a metodologia pastoral numa perspectiva relacional, não autônoma, nem totalitária, mas a partir da experiência de uma cultura do encontro e da corresponsabilidade.

Como nossa intenção é a reflexão sobre a metodologia pastoral, e não doutrinal, mesmo chamando à atenção para a não desvincularmos a doutrina da pastoral; já que devemos ter presente que o Papa é o sinal visível da unidade de toda a catolicidade, como os bispos são os pastores próprios das Igrejas Particulares, a questão para a qual venho chamar à atenção é o que está fomentado, justamente no sínodo sobre a sinodalidade, sobre a importância da ‘escuta’ nas nossas ações pastorais. Os nossos planos e atividades eclesiais necessitam assumir, com muita humildade e espírito de fé no sendo dos fiéis – sensum fidelium – a capacidade de ouvir o que o povo fiel de Deus tem a dizer aos demais irmãos que têm a missão de ‘servir’ a este mesmo povo, que deseja chegar à salvação (cf. LG cap. III, 18). A nossa prática tem que entender o que isso significa para as nossas atividades pastorais. A nossa Igreja Particular de Natal terá uma oportunidade de maturar o que está ousadamente proposto pelo Papa Francisco. Teremos o forte apelo a nos convertermos pastoralmente com o sínodo arquidiocesano que estamos para desenvolver.

O sínodo sobre a sinodalidade nos oferece não só uma teologia sobre o que é a Igreja, enquanto comunhão, participação e missão. Este acontecimento também nos mostrará que a nossa metodologia pastoral, neste terceiro milênio, tem que ser ressignificada, reordenada e convertida, tendo em vista a transformação missionária de toda a Igreja, a começar pelas suas ‘estruturas curiais’ (cf. PP Fco. EG cap. I; PE cap. II). Esses princípios missionários e organizacionais precisam ser recepcionados pelas Igrejas diocesanas. Isso será um ponto de partida central nas proposições a serem apresentadas pelo nosso sínodo local. Como a metodologia pastoral tem a ver com processo, o nosso discernimento eclesial poderá nos sensibilizar para assumirmos com coragem e determinação o anseio por reformas, que tem na nossa busca pela nossa santificação o nosso maior esteio, mas também numa administração que seja pautada pela virtude da justiça, que qualifica a política, inclusive a eclesiástica, para promoção do bem comum.

Sendo assim, as minhas inquietações devem ser situadas no que em comunhão com toda a Igreja estamos vivendo. A nossa pastoral não pode ser só ‘eventual’. Neste sentido, o nosso sínodo não deverá ser colocado em segundo plano para o que queremos testemunhar enquanto Igreja; mas, ele deve ser o carro chefe para que aprofundemos as nossas práticas pastorais com uma teologia arraigada no Concílio Vaticano II e este que, por sua vez, está em continuidade com a tradição viva da Igreja. Temos que fugir da superficialidade da ‘sociedade do espetáculo’. O movimento pastoral da nossa Arquidiocese precisa proporcionar consistência ao sínodo para que tenhamos mais qualidade metodológica nas nossas ações pastorais, tanto internamente, quanto no nosso diálogo com a cultura pós-moderna. Ou temos essa preocupação em nossas estruturas pessoais e físicas, ou continuaremos com a pastoral de conservação. Façamos a diferença no hoje da história. Assim o seja!

Por padre Matias Soares / Pároco da Paróquia de Santo Afonso M. de Ligório – Natal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ADOLESCENTE É BALEADA COM TIRO NA CABEÇA NO MUNICÍPIO DE JUCURUTU (RN) E SEU ESTADO É GRAVISSÍMO

Uma adolescente de 17 anos foi baleada com um tiro na cabeça, no final da tarde desta quinta-feira (02), em Jucurutu. A adolescente, foi socorrida e encaminhada ao Hospital Maternidade Terezinha Lula de Queiroz, no municpio de Jucurutu. Seu estado de saúde é gravissímo. A Polícia Militar prendeu o suspeito pelo crime. Segundo informações da Polícia o homem tentou matar uma outra pessoa, conhecida por "Jó do Ouro" mas os tiros acertaram a adolescente. Adolescente estava no local acompanhada da mãe, quando o homem conhecido como  por "Flavino da Internet", chegou ao local e atirou em direção de "Jó" e acertou na cabeça da jovem.

CAICÓ: MOTOTAXISTAS SE ARTICULAM PARA REALIZAÇÃO DE PROTESTO

Segundo informações chegadas ao blog, um grupo de moto taxistas de Caicó, está se articulando para realizarem um protesto contra as novas normas para multas que vão ser aplicadas em Caicó. Segundo o que colhemos de informações, o protesto não será contra o excesso de velocidade. “Somos de acordo estabelecer um limite de velocidade. Agora o que foi dito sobre o que as câmeras de monitoramento vão filmar, que nem sacola podemos carregar?  Isso vai nos prejudicar, a maioria dos mototáxi são pais de família, que vão ser prejudicados”.  Disse um dos articuladores do movimento. Perguntamos sobre o dia e horário deste protesto, mas, fomos informados que eles ainda estão se organizando.   De Roberto Flávio

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.