Pular para o conteúdo principal

FENÔMENO LA NIÑA DEVE PERMANECER PELO MENOS ATÉ O FINAL DE MARÇO


A previsão que o físico, meteorologista e mestre em Meteorologia, Rodrigo Cézar, fez em setembro de 2022, e divulgada em seu site cienciaemfoco.com e canal se confirmou, o fenômeno climático e oceânico La Niña continuará em atividade na região central do Oceano Pacífico Equatorial no mês de fevereiro de 2023.

De acordo com o estudioso o referido fenômeno duraria até pelo menos fevereiro de 2023, com isso a La Niña deve continuar a influenciar o clima global durante o restante de janeiro e ao longo de todo o mês de fevereiro deste ano.

A nova previsão do estudioso é que esse episódio do fenômeno climático e oceânico La Niña, dure até pelo menos o final de março de 2023, o que representa uma boa notícia para a população do Nordeste do Brasil, pois em 80% dos casos as chuvas em grande parte da região tendem a variar de normais a acima da média em anos de La Niña.

De acordo com as observações dos dados de temperatura da superfície dos oceanos de 17 de janeiro de 2023, na região do Niño 3.4, que é a de maior correlação com a distribuição dos ventos em altitude sobre várias regiões do mundo, o desvio de temperatura é de aproximadamente -0,97ºC, isso significa que o fenômeno continua configurado, e deverá persisitir em atividade nos próximos meses.

Na Região do Niño 1+2, que fica na costa do Equador e Peru, e que influencia no padrão de distribuição dos ventos em altitude sobre o Sul do Brasil, foi observado principalmente na costa peruana, ressurgência de águas mais frias de que o normal, essas águas através da circulação oceânica que é um espelho da circulação atmosférica, poderá ser transportada para a região do Niño 3.4, garantindo a persistência da La Niña pelos próximos meses.

Por Rodrigo Cézar Limeira

Créditos: tropicaltidbits.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.