Pular para o conteúdo principal

ENTENDA O QUE MUDA NA POLÍTICA DE ARMAS DO PAÍS COM O NOVO DECRETO

 Política belicista: armamento em poder de civis ultrapassa 1 milhão

O número de armas de fogo nas mãos do grupo chegou a 1 milhão em julho do ano passado. O crescimento foi de 187% em relação a 2018, anterior à posse de Bolsonaro.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, disse que o primeiro decreto já possui um efeito imediato no controle de armas porque suspende a autorização para abertura de novos clubes de tiro, aquisição de armas de uso restrito e de munições.

“Ele [decreto] não trata das armas já vendidas, isso vai ser debatido com o grupo de trabalho, tudo isso com a estruturação do programa de recompra. Mas é um decreto que vai na direção certa de restabelecer o controle de armas”, disse Dino.

COMO FICA A SITUAÇÃO DOS CACS?
Normas publicadas no governo Bolsonaro davam ao atirador, por exemplo, o acesso a 60 armas, 30 de uso restrito e 30 de uso permitido, podendo chegar a adquirir, anualmente, 180 mil munições. O texto suspende a aquisição de arma de fogo de uso restrito para CACs e coloca nesse primeiro momento um quantitativo menor de armas que podem ser adquiridas de uso permitido

QUAL SERÁ O NÚMERO DE ARMAS DE USO PERMITIDO?
O novo texto diz que os CACs poderão adquirir até três armas de uso permitido.

O CAC NÃO PODERÁ COMPRAR MAIS FUZIL?
Não. O fuzil é uma arma de uso restrito e, por causa do novo texto, não poderá ser adquirido.

O REGISTRO DE CACS CONTINUA?
As pessoas que querem se tornar CAC precisam obter o certificado de registro no Exército. Com o novo texto, fica suspenso o certificado até a edição de um novo.

ATÉ QUANDO FICARÁ SUSPENSO O REGISTRO DE CAC E A AQUISIÇÃO DE ARMA DE USO RESTRITO?
O decreto institui um grupo de trabalho que fará uma nova regulamentação do Estatuto do Desarmamento em até 60 dias. Até a entrada em vigor da nova regulamentação, ficam suspensos registros para aquisições e a transferências de armas de fogo de uso restrito para CAC.

HAVERÁ UM RECADASTRAMENTO DE TODAS AS ARMAS?
Durante esses 60 dias, todas as armas adquiridas a partir da edição do decreto de maio de 2019, durante o governo Bolsonaro, terão que ser recadastradas no prazo de 60 dias no Sinarm (Sistema Nacional de Armas) da Polícia Federal, mesmo que tenham sido registradas no Sigma (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas), do Exército. As armas dos CACs, por exemplo, ficam registradas no Sigma.

VOLTARÁ A SER EXIGIDA A EFETIVA NECESSIDADE PARA CONSEGUIR TER A POSSE DE ARMA?
Sim. O decreto também volta com a exigência de comprovação da efetiva necessidade para autorização de posse de arma na Polícia Federal -atualmente bastava uma declaração. É pela PF que o cidadão comum pode ter a posse de arma para defesa pessoal. No Sinarm (Sistema Nacional de Armas) também ficam cadastradas armas da Polícia Civil, guarda municipal, caçador de subsistência, servidor público e lojas de armas.

EM QUANTO TEMPO O CERTIFICADO DE REGISTRO DA ARMA PRECISA SER RENOVADO?
Pelo novo texto, a renovação passa de 10 para 5 anos. Na hipótese de não cumprimento dos requisitos para a renovação, o proprietário entregará a arma de fogo à Polícia Federal, mediante indenização ou poderá transferir a arma para alguém que esteja interessado em até 30 dias.

COMO FICAM OS CLUBES DE TIRO?
O decreto suspendeu a concessão de novos registros de clubes e escolas de tiro até a publicação do novo texto do Estatuto do Desarmamento. Entretanto, os clubes que já existem podem continuar funcionando.

AS PESSOAS PODEM FREQUENTAR CLUBES DE TIRO NORMALMENTE?
Pessoas com registro de CACs podem continuar frequentando clubes de tiro. Entretanto, a prática de tiro recreativo em clubes, escolas de tiro ou entidades similares, por pessoas não registradas como CACs e que não tenham a posse de arma está proibida.

O PORTE DE TRÂNSITO FOI PROIBIDO?
Não. Entretanto houve uma mudança e a arma terá que ser transportada desmuniciada (sem munição) do local de guarda até o clube de tiro ou de caça. Antes, a arma poderia estar municiada nesse trajeto. Segundo especialistas, a normativa virou um porte de armas camuflado

MUDA ALGUMA COISA DAS ARMAS QUE SERÃO DE CALIBRE RESTRITO OU PERMITIDO?
Ainda não. Isso será definido com a nova regulamentação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.