Pular para o conteúdo principal

DIA NACIONAL DO FUSCA: PROPRIETÁRIOS POTIGUARES FALAM DA PAIXÃO PELO VEÍCULO

 

Lígia Carvalho

No Dia Nacional do Fusca, comemorado nesta sexta-feira (20), os donos dessas relíquias no Rio Grande do Norte falam sobre a paixão pelo veículo. O Fusca já teve o apelido de ‘o carro do povo’, e o modelo foi o mais vendido em toda a história automotiva entre 1938 e 2003.

Os motoristas afirmam que a paixão vem de berço ou a partir do primeiro contato com o carro. Aurino Araújo, empresário de 81 anos, é apaixonado por fusca desde 1964, quando comprou o seu primeiro carro. Ao longo destes quase 60 anos, o colecionador conta que já chegou a ter 12 Fuscas de uma única vez, mas atualmente, possui ‘apenas’ cinco na sua garagem.

“A minha paixão começou em 1964, quando comprei o meu primeiro. Desde então, sempre possuí um ou mais Fuscas, mesmo que não fossem eles o carro do dia a dia. Tenho várias boas lembranças com eles, mas poderia destacar uma viagem em 1965, com um amigo pretendendo ir a Punta del Este, no Uruguai, mas tivemos que voltar do Rio Grande do Sul, por causa do frio”, contou o empresário Aurino Araújo.

Quando foi lançado, o Fusca era equipado com motor refrigerado a ar, sistema elétrico de seis volts, câmbio seco de quatro marchas, que até então só se fabricavam carros com caixa de câmbio até três marchas. Logo depois, o nome ganhou inúmeras variantes, como carocha, coccinelle, escarabajo e outros.

No Brasil, o carro começou a ser fabricado em 1950. Cerca de 60 anos depois, a potiguar Lígia Carvalho, de 28 anos, adquiriu o seu primeiro exemplar, no ano de 2014. A estrategista de performance mobile disse que nunca teve o sonho de ter um fusca, mas cresceu com o seu pai gostando muito de carros antigos e quando surgiu a oportunidade, compraram o carro. Daí pra frente, a paixão surgiu e o Fusca já é referência na vida dela.

“Quando eu digo que faz parte de mim é porque o Fusca já é a minha referência. Quando vão me dar presente, pensam em algo de fusca (tenho blusa, chaveiro, miniatura, tudo que ganhei de amigos), ou, às vezes, quando alguém que só me conhece de vista vai falar algo sobre mim é “a menina do Fusca” ou eu mesma digo “É Lígia, do Fusca” e automaticamente já sabem quem está falando”, explicou.

Lígia também conta que o veículo é repleto de histórias, sejam positivas ou negativas, mas que no final, representam a essência de quem possui um automóvel com tanta representatividade no meio automobilístico.

“Estou há mais de oito anos com ele, então tenho muitas lembranças boas! Rolês com amigos, viagens… Mas eu acho que o mais legal são as amizades que criei, conversas que tive por causa do carro. Não é tão comum você ver mulheres, jovens, que tenham Fusca andando por aí. Isso acabou chamando atenção e fez com que eu conhecesse bastante gente legal, ou me aproximasse de algumas pessoas por causa do carro”, disse.

A proprietária contou ainda que sempre é parada na rua com pessoas fazendo propostas para comprar o carro, mas acaba negando. Lígia reforçou que encontra oficinas em Natal que fornecem peças para manutenção do carro, pois alguns itens de outros carros, acabam se encaixando no Fusca, como peças do modelo Gol, da Volkswagen. Todavia, demais acessórios como volantes, tapetes, ela acaba adquirindo pela internet.

O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) informou que o RN possui atualmente uma frota de 1.488.240 veículos no estado, mas não soube contabilizar quantos destes são Fuscas

Do Novo Notícias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.