Pular para o conteúdo principal

COMUNIDADE INTERNACIONAL CONDENA O "CAPITÓLIO TUPINIQUIM"

 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Ultrajante. Em visita a El Paso, na fronteira com o México, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, usou esse termo ao citar os atentados terroristas de ontem, em Brasília. A invasão ao Congresso Nacional, ao Supremo Tribunal Federal e ao Palácio do Planalto estarreceu os norte-americanos e o mundo, 732 dias depois de simpatizantes do republicano Donald Trump atacarem o Capitólio, em Washington, deixando cinco mortos. "Condeno o ataque à democracia e à transferência de poder no Brasil. As instituições democráticas no Brasil têm nosso total apoio e a vontade do povo brasileiro não deve ser minada. Estou ansioso para continuar a trabalhar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva", escreveu Biden, pouco depois das 20h de ontem.

Mais cedo, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, também alertou que "usar a violência para atacar instituições democráticas é algo sempre inaceitável". A deputada democrata Alexandra Ocasio-Cortez prestou solidariedade às autoridades brasileiras e instou o governo Biden a parar de "conceder refúgio" ao ex-presidente Jair Bolsonaro na Flórida. A comunidade internacional reagiu, de forma imediata e consoante, às cenas de barbárie em Brasília. Líderes de vários países reprovaram, nos mais fortes termos, os atentados. A pedido do Correio, analistas políticos dos Estados Unidos traçaram uma comparação entre os episódios de ontem em Brasília e a invasão ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021

Semelhanças

Professor do Departamento de História da Universidade de Denver (Colorado), o brasileiro Rafael R. Ioris vê um paralelo muito forte entre os atentados terroristas de ontem, em Brasília, e o ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021. "Há semelhanças, tanto do ponto de vista empírico, com a invasão das forças da extrema-direita brasileira e norte-americana às instituições democráticas. Esses atores tiveram grande cooperação nos últimos tempos, partindo de uma mesma cartilha. A proximidade dos ex-presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump é explicitamente a demonstração da partilha de uma agenda neofascista", explicou. 

No entanto, Ioris também aponta diferenças interessantes entre os dois ataques. "O que houve nos EUA foi um presidente que não queria sair do poder e que ainda controlava as forças nacionais. A polícia do Distrito de Colúmbia tentou reprimir os manifestantes, mas foi subjugada por eles. No caso do Brasil, é o contrário. Lula está no poder e, claro, parece que houve conivência da Polícia Militar do Distrito Federal. Mesmo omissão ou concordância. Mas, neste caso, o governo federal está nas mãos de progressistas e a neodireita se recusa a reconhecer essa vitória", acrescentou. 

Ioris considerou que os atentados terroristas de ontem são "gravíssimos" para a imagem do Brasil no exterior. "A crise da democracia ocorrida nos últimos anos no país tem sido um assunto de grande relevância internacional. Lideranças formais e políticas, e líderes de governos, assim como organizações democráticas progressistas do mundo inteiro, têm acompanhado esse processo de destruição da democracia brasileira. A última eleição foi de muito interesse para a opinião pública internacional. Havia um grande entusiasmo de que, com a volta do presidente Lula, veríamos a possibilidade de reconstrução das instituições democráticas", explicou.  

O historiador político James Naylor Green, professor da Brown University (em Rhode Island) e co-coordenador nacional da Rede dos Estados Unidos pela Democracia no Brasil, concorda que "o ataque aos Três Poderes em Brasília lembra muito a invasão ao Capitólio". "No Brasil, a extrema-direita faz a mesma coisa que a ultradireita norte-americana: recusa-se a reconhecer o processo democrático e comete atos de violência inaceitáveis", disse à reportagem.

Green aposta que a invasão ao Congresso Nacional, ao STF e ao Planalto enfraquecerá o bolsonarismo. "Os atos antidemocráticos mereceram repúdio nacional e internacional. A base de Bolsonaro no Congresso estará em uma situação muito complexa, caso os legisladores não denunciem totalmente os simpatizantes do ex-presidente. O próprio Bolsonaro terá que denunciar o que aconteceu e se distanciar desses atos", comentou. Ele não descarta uma investigação muito mais profunda da Polícia Federal, um sinal de que tais crimes não serão tolerados. "Foi uma invasão horrível."

Manual

Para o também brasilianista Kenneth R. Maxwell —  professor aposentado da Universidade de Harvard e fundador do Programa de Estudos sobre o Brasil —, o que se viu ontem em Brasília foi um "atentado ultrajante à democracia brasileira". "Ela veio pouco depois do segundo aniversário da invasão ao Capitólio por baderneiros pró-Trump e seguiu o mesmo manual. Assim como em Washington, a polícia em Brasília esteve praticamente ausente e os poucos agentes ficaram sobrecarregados. O vandalismo no Congresso brasileiro é estranhamente parecido com o ocorrido na capital dos EUA", admitiu.

Maxwell apontou outra coincidência: a negação de uma vitória eleitoral. "Não por acaso, Bolsonaro se instalou na Flórida. Isso é um grave choque para o sistema democrático e demonstra quão difíceis serão os primeiros meses de governo Lula."

Professor de direito e de ciência política da Universidade de Yale (em New Haven, Connecticut), Bruce Ackerman lembrou que Blinken condenou os ataques em Brasília. "Como consequência, Jair Bolsonaro não deveria ter a permissão de sair dos EUA e retornar ao Brasil, a fim de inflamar ainda mais esse violento atentado à democracia",  afirmou, por e-mail. Ele defende que Lula solicite a detenção e a deportação do ex-presidente, para que um processo judicial investigue a cumplicidade de Bolsonaro nas agressões às "bases da democracia". 

Sean T. Mitchell, professor de antropologia e diretor do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Paz e Conflito na Universidade Rutgers (em Newark), assegura que há "clara coordenação" entre a extrema-direita dos EUA e a do Brasil. "Não sabemos como a insurgência foi planejada, mas não seria surpresa vermos figuras próximas a Steve Bannon (ex-estrategista de Trump) envolvidas. Sabemos que Anderson Torres (secretário de Segurança do DF, exonerado ontem) viajou para Orlando. Também que Eduardo Bolsonaro foi a Washington, em 5 de janeiro de 2021." Segundo ele, os ultradireitistas do Brasil e dos EUA são parte de uma rede internacional que coordena estratégias transfronteiriças. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.