Pular para o conteúdo principal

ANESTESISTAS RECEBEM PAGAMENTO DA PREFEITURA DE NATAL E AGORA AGUARDAM O GOVERNO DO RN PARA VOLTAREM AO TRABALHO

 60be0728f014882c30ef67f5 banner residencia em anestesiologia

Os médicos anestesistas do Rio Grande do Norte, que estão em greve desde o dia 15 de dezembro por atraso no pagamento de salários, esperam receber do Governo do Estado o pagamento de ao menos uma parcela dos atrasados para voltarem ao trabalho.

No início da semana, o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia, se reuniu com a cooperativa dos médicos (Coopanest) e se comprometeu a repassar um pagamento até esta sexta-feira (13). Os pagamentos estão atrasados desde julho do ano passado.

A Prefeitura do Natal também estava em atraso. Mas, segundo a Coopanest, a gestão municipal efetuou pagamentos nesta quarta-feira (11), o que abateu parte da dívida. Ao PORTAL DA 98 FM, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que foram repassados à Coopanest mais de R$ 1,9 milhão.

Por causa da paralisação dos anestesistas, hospitais de Natal estão superlotados de pacientes aguardando cirurgias. Apenas operações emergenciais estão sendo realizadas. Só no Walfredo Gurgel, o maior hospital do Estado, havia 80 pacientes nos corredores nesta quarta-feira. Desse total, 57 aguardavam uma cirurgia ortopédica.

Uma das pacientes que aguardavam uma cirurgia ortopédica era Maria Lopes dos Santos, uma idosa de 109 anos que deu entrada no hospital na terça-feira (10) com uma fratura no fêmur. Até o fechamento desta matéria, não havia previsão de quando ela seria operada.

Amanhã, após a reunião marcada com a Secretaria Municipal de Saúde, às 9h, a direção da Coopanest irá se reunir para decidir o fim da paralisação e sobre o retorno imediato das atividades.

Os anestesiologistas acreditam na intenção do Governo do Estado e da Prefeitura de Natal em resolver essa situação insustentável para todos: profissionais e população norte-riograndense.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.