Pular para o conteúdo principal

STYVENSON AMEAÇA SAIR DO PODEMOS, CASO PARTIDO FECHE APOIO A LULA

 


O senador potiguar Styvenson Valentim, do Podemos, não ficou confortável com a possibilidade da legenda integrar o governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva a partir do próximo ano e se posicionar como aliado na gestão no Congresso Nacional. De acordo com o parlamentar do Rio Grande do Norte, se houver apoio em troca de espaço no governo, ele vai se desfiliar do partido.

A manifestação do parlamentar ocorre após o presidente eleito ter iniciado diálogo com a presidente do Podemos, deputada reeleita Renata Abreu (SP), para que a sigla faça parte do futuro governo, inclusive com direito a comandar um ministério. O partido terá uma bancada federal formada por 12 deputados e seis senadores, podendo ainda receber o ingresso de mais um senador do PSC.

Styvenson Valentim, no entanto, diz que não há nenhum tipo de tratativa neste sentido entre os senadores da legenda, que encontram-se em recesso parlamentar. “O Podemos no Senado não está fazendo qualquer tratativa no sentido de apoiar o governo com base em trocas, toma lá da cá, que todos, eu em especial, rechaçamos. E, caso o Podemos no Senado insinue ou decida ser base do governo nessa situação, minha desfiliação é certa. Não faço parte de algo que eu não concorde. Mais ainda, que sou crítico ferrenho, um governo baseado na cleptocracia”, disse Styvenson Valentim. O termo “cleptocracia” é utilizado para   uma prática na qual indivíduos que estão no poder/governo se utilizam dos recursos públicos para enriquecerem ilicitamente.

Nas eleições deste ano, o Podemos caminhou com a candidatura de Simone Tebet (MDB) durante o primeiro turno. Tebet, que aceitou ontem (27) o convite de  Lula para comandar o Ministério do Planejamento, apoiou a eleição do petista no segundo turno e o Podemos liberou seus filiados para apoiarem quem quisessem, além de se posicionar ao centro do espectro político, condenando o extremismo tanto por parte da Direita quanto da Esquerda no país.

“O Podemos foi fundado como partido-movimento com o objetivo de oferecer aos brasileiros um projeto de país que afaste definitivamente a discussão política dos extremos, e represente o equilíbrio necessário e saudável à democracia. Nestas eleições presidenciais esse projeto foi liderado pela candidatura de Tebet”, disse em nota naquela ocasião.

A quatro dias para a posse do novo presidente,  paira a dúvida se o partido vai se comportar como fez no segundo turno das eleições e, principalmente, se vai orientar os seus parlamentares a darem apoio ao novo governo petista.

Pelo menos no Senado, Styvenson Valentim garante que não se discute no momento o ingresso na base aliada. “Muito pelo contrário, o que foi conversado com os senadores que compõem o partido foi no sentido de que permaneçamos como se deu no governo Bolsonaro, críticos e contrários ao que não beneficie o país e os brasileiros, e apoiadores no que seja bom para os mesmos”, disse.

Senador vai manter coerência de discurso

Styvenson venceu a eleição para o Senado em 2018 pela Rede Sustentabilidade, através do que ambos chamaram de “candidatura cidadã”, pela qual o candidato poderia ter certa independência em relação ao direcionamento da legenda em troca de abrir mão da estrutura do partido (tempo na propaganda eleitoral e fundo eleitoral). Em fevereiro de 2019, Valentim decidiu se filiar efetivamente ao Podemos, alegando que “suas condições de liberdade, independência de pensamentos e de atos” foram aceitos pelo então presidente da sigla, senador Álvaro Dias. Contudo, destacou em nota: “Porém, não há partido ou regra que irá subjulgar minhas convicções”.

O possível ingresso do Podemos na base do governo gera certa contradição. A sigla é reconhecida pelo apoio incondicional à “Operação Lava-Jato”, que levou o presidente Lula à prisão. Além disso, é a legenda de desafetos do petista, como o deputado federal mais votado do Paraná, o ex-procurador Deltan Dallagnol, que foi a principal liderança da Lava Jato ao lado do ex-juiz federal Sérgio Moro (União Brasil), senador também eleito pelos paranaenses.

Moro, o magistrado que ordenou a prisão de Lula em 2018, quase foi candidato à presidência pelo Podemos, mas depois de desentendimentos internos, desfiliou-se da legenda neste ano, antes das eleições.

Presidência do Senado

O senador Styvenson já chegou a afirmar sobre a possibilidade do Podemos apoiar a candidatura do ex-ministro Rogério Marinho (União Brasil) para presidir o Senado Federal. No entanto, depois que o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) anunciou que também será candidato e com o início do recesso parlamentar, Valentim diz que nada ainda decidiu sobre em quem votar.

“Nada está decidido, estamos em recesso. No retorno, irei avaliar e tomar minha decisão”, informou Styvenson.

Além de Rogério e  Girão, Rodrigo Pacheco  (PSD/MG) também está na disputa para se manter na presidência. A eleição está marcada para 1º de fevereiro.

Tribuna do Norte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.