Pular para o conteúdo principal

CONGRESSO: PACOTE DE BONDADES PARA AUTORIDADES E SERVIDORES CUSTARÁ MAIS DE R$ 1 BILHÃO EM 2023

 


Os aumentos salariais escalonados aprovados pelo Congresso Nacional no apagar das luzes do ano legislativo de 2022 terão impacto orçamentário de R$ 1,030 bilhão somente em 2023. Até 2025, o montante ultrapassa os R$ 3 bilhões. E isso diz respeito apenas ao que já foi aprovado. Mas muito ainda pode estar por vir. Afinal, os valores já chancelados pelos congressistas estão dentro de uma reserva total de R$ 16,7 bilhões para negociação de reajustes futuros do funcionalismo, previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA).

Nas últimas sessões do ano, parlamentares bateram o martelo e fecharam um pacote de melhorias que aumentou o salário de ministros Supremo Tribunal Federal (STF) em 18% e igualou o teto do funcionalismo para outros cargos. Em efeito cascata com o reajuste dos ministros, deputados e senadores decidiram dar um “up” até nos próprios salários.

Seguiram ainda nas últimas aprovações do ano com incrementos substanciais aos vencimentos do presidente da República, do vice e dos ministros do Executivo. Até 2026, os membros do alto escalão do Executivo podem ter aumento que chega a 50%.

Funcionários públicos também entraram no pacote de bondades. O Congresso aprovou reajuste para os servidores do Senado, da Câmara, do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Defensoria Pública da União (DPU), para membros do Ministério Público da União (MPU) e servidores do Judiciário.

Incremento

O aumento é de 18,13%, montante que será parcelado até fevereiro de 2025. Os reajustes são de 6% em fevereiro de 2023, 6% em fevereiro de 2024 e 6,13% em fevereiro de 2025, no caso dos servidores.

O impacto orçamentário previsto para os trabalhadores do Senado é de R$ 180,9 milhões em 2023, R$ 262,5 milhões em 2024, R$ 335,8 milhões em 2025 e R$ 477 milhões no exercício de 2026. Já para os servidores da Câmara dos Deputados é de R$ 275,7 milhões em 2023, R$ 154,4 milhões em 2024, R$ 190,7 milhões em 2025 e R$ 198,3 milhões no exercício de 2026.

Para conceder o mesmo percentual aos servidores do TCU, o impacto previsto é de R$ 88,1 milhões em 2023, R$ 179,8 milhões em 2024, R$ 275,1 milhões em 2025 e 374,2 milhões no exercício de 2026. Para a DPU, é de R$ 16,3 milhões em 2023, R$ 25,5 milhões em 2024 e R$ 26,5 milhões a partir de 2025.

Aumento do salário de ministros do STF

No caso do subsídio dos ministros do STF, o percentual aumentou em 18%, também ao longo de três anos. O salário atual de um ministro é de R$ 39.293,32. Em 2023, passará para R$ 41.650,92; para R$ 44.008,52 a partir de 1º de fevereiro de 2024; e para R$ 46.366,19 a partir de 1º de fevereiro de 2025.

Esse valor também é usado como teto para o pagamento de remunerações de ministros de tribunais superiores, juízes federais e magistrados. A estimativa feita pela Corte para o impacto orçamentário em 2023 é de R$ 910.317,00 em relação aos ministros e de R$ 255,38 milhões em relação aos demais membros do Poder Judiciário da União.

O aumento do teto do funcionalismo também força o incremento no subsídio do procurador-geral da República nos mesmos patamares dos ministros do STF. A estimativa feita pelo Ministério Público Federal (MPF) com os novos gastos para 2023 são de R$ 35.320,63 em relação ao procurador-geral e de R$ 105,84 milhões em relação aos demais membros do MPU, pois o subsídio é referência para os outros níveis da carreira.

Servidores do Judiciário, do Ministério Público da União (MPU) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) também tiveram reajuste de 18,13%, mas o impacto orçamentário não foi informado.

Poder Executivo

Para o Executivo, os aumentos seguem em cascata o parâmetro do salário dos ministros do Supremo. Nesse caso, até 2026, os integrantes dos cargos de presidente, vice-presidente, ministros de Estado, deputados e senadores terão aumentos que chegam a 50%.

O salário atual do presidente da República é de R$ 30,9 mil por mês. Senadores e deputados ganham R$ 33,7 mil – com os aumentos escalonados, receberão R$ 39.293 a partir de janeiro de 2023; R$ 41.258,05 a partir de abril de 2023; R$ 42.928 a partir de fevereiro de 2024; e R$ 46.366 de fevereiro de 2026 em diante.

O impacto orçamentário previsto nesses casos para 2023 é de:

Deputados: R$ 86 milhões.

Senadores: R$ 14,3 milhões.

Presidente, vice e ministros de Estado: R$ 7,1 milhões.

Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.