Pular para o conteúdo principal

RELATÓRIOS SOBRE RÁDIOS USADO POR BOLSONARO CONTRA TSE TEM FRAGILIDADE QUE IMPEDE CONCLUSÕES

 jair bolsonaro oficiais generais promovidos0804216665

O material sobre rádios enviado pela campanha de Jair Bolsonaro (PL) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), da forma como foi apresentado, não comprova a alegação de prejuízo ao presidente nas inserções da propaganda eleitoral no rádio. A fragilidade se deve principalmente à forma de análise da program

A empresa que fez o monitoramento para a campanha de Bolsonaro afirma realizar o monitoramento das transmissões divulgadas pelas emissoras por streaming. O problema é que, nessa modalidade, a veiculação da propaganda política não é obrigatória.

Da mesma forma que acontece, por exemplo, com a Voz do Brasil, as empresas de rádio podem veicular outros conteúdos pela internet durante o horário eleitoral, afirmam especialistas.

Na manhã desta quarta-feira 26, Bolsonaro usou o tema para insinuar que poderá não aceitar o resultado da eleição no próximo domingo.
“O que foi feito, comprovado por nós, pela nossa equipe técnica, é interferência, é manipulação de resultados. Eleições têm que ser respeitadas, mas, lamentavelmente, PT e TSE têm muito o que explicar nesse caso”, declarou.

Bolsonaro, que aparece atrás do ex-presidente Lula (PT) nas pesquisas eleitorais, responsabilizou diretamente o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), já alvo do presidente em suas mentiras e afirmações sem provas e indícios acerca das urnas eletrônicas e de todo o sistema de votação.

Na noite desta terça-feira 26, após o presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, exigir indicação de rádios, dias e horários em que não teriam sido veiculadas as inserções no Norte e Nordeste, a coligação protocolou representação com 8 exemplos de emissoras da Bahia e de Pernambuco que teriam desfavorecido Bolsonaro com menos inserções.

Foram enviados ao tribunal também arquivos com dados brutos de outras emissoras, analisados pela empresa Audiency Brasil Tecnologia. Segundo o Ministério das Comunicações, o Brasil tem ao todo 10.176 outorgas de rádio -entre elas, 4.746 comunitárias, 4.129 FM e 1.115 AM.

Ao descrever a metodologia do levantamento, a empresa afirma que é criado “um algoritmo/código, que captura o áudio emitido em tempo real pelo streaming público das emissoras, transforma-os em dados binários e processa os arquivos binários comparando-os com áudios cadastrados no banco de dados da plataforma por espelhamento”. Ou seja, a base é o streaming.

O problema é que, além de emissoras de televisão e radio não serem obrigadas a transmitir a propaganda eleitoral por streaming, a análise automatizada tem outras fragilidades.
Profissionais de rádio e de empresas de monitoramento ouvidos pela Folha afirmam serem comuns falhas na transmissão online. Se parte da transmissão diária de uma emissora não entrar no streaming, ficará de fora de um monitoramento feito dessa forma.

É por isso que, segundo advogados eleitorais, campanhas costumam fazer o monitoramento por amostragem. É um sistema caro, uma vez que exige a captação do sinal pela onda do rádio no local de transmissão e a análise dos dados por pessoas contratadas.

Métodos de checagem A checagem das inserções, seja na propaganda política, seja na propaganda privada, em geral é feita de três formas, segundo Luís Cláudio Garrido, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Monitoramento de Informação (Abemo).

Uma delas é a manual, ou seja, com pessoas na radioescuta que anotam e transcrevem as propagandas e verificam o cumprimento de outras exigências, como o horário de exibição e os intervalos.

Na propaganda eleitoral, por exemplo, as inserções não devem ser exibidas em um bloco único, mas distribuídas na programação.

Outra forma de monitoramento adotada pelo setor é a automatizada. Nessa metodologia, o anunciante envia a mídia, e o sistema a procura na programação das rádios, usando uma tecnologia de reconhecimento semelhante à do aplicativo Shazam, que consegue identificar uma música que esteja tocando no rádio.

Outro grupo grande de empresas usa uma combinação dos dois métodos, segundo Garrido: o digital para ter maior agilidade, e a presença humana para checar discrepâncias.

Advogados da área de direito eleitoral afirmam que não é incomum que os monitoramentos encontrem falhas pontuais na transmissão de inserções, seja na quantidade veiculada, seja na ordem delas.

O que não é usual, afirmam, é uma campanha relatar a poucos dias das eleições um problema dessa magnitude ocorrido semanas antes.

Caso seja observado algum erro, a praxe é informar o Tribunal Regional Eleitoral em até 48 horas, e a compensação é feita nos dias seguintes, afirma o advogado Francisco Octávio de Almeida Prado Filho.

Também advogado da área eleitoral, Ricardo Penteado ressalta que, mesmo que a análise tivesse sido feita pelo conteúdo transmitido via antena, a simples representação ao TSE não bastaria para comprovar a alegação de que as inserções não foram veiculadas.

“É preciso trazer a gravação da programação inteira de cada emissora para que seja feita perícia”, afirma.

Ele ressalta ainda que seria preciso analisar se as inserções de Lula também não deixaram de ser exibidas. Divulgar mesmo no streaming apenas as inserções de um candidato seria irregular, na avaliação do advogado, uma vez que poderia caraterizar propaganda desequilibrada.

Profissionais do setor de radiodifusão afirmam, sob condição de anonimato, que, devido à grande quantidade de rádios pequenas, com pouca estrutura de pessoal, e à dificuldade de uma fiscalização abrangente, é de fato possível que em algumas localidades não sejam respeitadas as regras de inserção, o que poderia prejudicar em tese tanto Bolsonaro como Lula.

Atualmente, as campanhas enviam as mídias de propaganda a um pool de emissoras que tem uma sala no TSE, e cada emissora pode baixar as mídias para inserir na sua programação.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.