Pular para o conteúdo principal

PARTIDOS QUE MAIS ELEGERAM DEPUTADOS FEDERAIS NEGROS SÃO DE DIREITA


Em 2022, os partidos que mais elegeram candidatos autodeclarados negros —que se identificam como pardos ou pretos— para a Câmara dos Deputados são de direita.

Dos 135 deputados eleitos desse grupo, 25 fazem parte do PL, sigla do presidente Jair Bolsonaro, que disputará o segundo turno presidencial com o ex-presidente Lula (PT) em 30 de outubro. A legenda é a que mais elegeu parlamentares para a próxima legislatura, com ao todo 99. As informações são da Folha de S.Paulo.

Republicanos e União Brasil, também posicionados à direita, aparecem em sequência na lista. O primeiro elegeu 20 deputados registrados como negros, e o outro, 17.

Os representantes do PT, partido posicionado à esquerda, surgem em quarto lugar, com 16 cadeiras negras conquistadas. Em seguida está o PP, à direita, com 15.

O centrão também entra na conta. O MDB elegeu oito deputados autodeclarados negros, seguido de PSD, com seis, e Podemos, com cinco. Avante e Pros garantiram dois parlamentares cada, e Solidariedade, um.

No campo mais à esquerda, o PDT conseguiu seis cadeiras, seguido de PC do B, com quatro, PSB e PV, com dois cada, e Rede, com um representante.

Cidadania, Novo, Patriota, PSC, PSDB e PTB não elegeram nenhum deputado pardo ou preto.

O viés ideológico dos partidos que mais elegeram deputados autodeclarados negros vai na contramão dos discursos favoráveis à diversidade, mais frequentes na esquerda.

Proporcionalmente, entre as maiores bancadas, o Republicanos foi o partido com mais candidatos negros eleitos para a Câmara (49%), seguido de PP (32%), União (29%) e PL (25%).

Maior representante da esquerda na próxima legislatura, o PT tem menos de um quarto (23%) de parlamentares pretos ou pardos em sua lista de novos parlamentares.

O aumento da diversidade ocorre após a instituição da lei que determina peso dobrado para cadeiras femininas e negras na Câmara, medida que prevê maior distribuição do fundo partidário no futuro às siglas que elegerem mais representantes desses grupos.

Além disso, em 2022, os partidos foram obrigados a destinar recursos do fundo eleitoral de maneira proporcional à quantidade de candidatos negros e brancos. As novas medidas, instituídas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) são uma tentativa de aumentar a participação feminina e negra na política do país.

Pela primeira vez, o pleito geral teve mais candidatos negros (49,6%) do que brancos (48,8%). Ainda assim, dos 513 parlamentares eleitos para a Câmara, somente 135 são negros (26%).

Em 2018, deputados federais negros eram 123 (102 pardos e 21 pretos) e corresponderam a 24% na formação da Casa, enquanto brancos foram 387, totalizando 75% dos representantes.

Neste ano, o cenário mudou para 135 negros (108 pardos e 27 pretos) ocupando 26% das cadeiras, e outros 369 brancos, o equivalente a 72% das vagas

Ou seja, houve um aumento de 8,9% da representatividade negra na Casa. O crescimento foi mais expressivo entre pretos, de 28,5% na comparação entre as duas eleições.

Os dados sobre raça dos candidatos começaram a ser coletados em 2014. Naquele ano, a composição da Câmara após a votação ficou em 20% de negros e 80% de brancos.

A identificação racial ocorre por autodeclaração. Alguns dos deputados eleitos tiveram sua declaração contestada por adversários e parte dos eleitores ao alterarem de branco para preto ou pardo após a criação dos novos incentivos pelo TSE.

Alexandre Leite (DEM-SP), Maria Rosas (Republicanos-SP), Weliton Prado (PROS-MG), Diego Garcia (Republicanos-PR), Elmar Nascimento (DEM-BA), Cláudio Cajado (PP-BA), Alice Portugal (PC do B-BA) e Pinheirinho (PP-MG) se identificavam como brancos, mas neste ano se registram como negros (pardo ou preto).

Numa reportagem publicada pela Folha em junho, especialistas disseram que a legislação brasileira prevê medidas contra desonestidade na classificação racial, caso seja comprovada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.