Pular para o conteúdo principal

PM ABRE INQUÉRITO PARA INVESTIGAR POLICIAL QUE USAVA REDES PARA COMERCIALIZAR FOTOS ADULTAS




A corregedoria da Polícia Militar apura caso de PM que usava as redes sociais para comercializar conteúdo pornográfico. Yolanda Carolina Buarque de Oliveira, foi conduzida para prestar esclarecimentos sobre o conteúdo que postava na internet.

Nas redes sociais a militar postava fotos e vídeos de lingerie. Em uma de suas postagens, a policial anunciava a chance de concorrer a um café da manhã com ela. No post, Yolanda afirma que “ao assinar o plano trimestral você receberá um cupom para concorrer a um café da manhã comigo que acontecerá todo final do mês com os novos assinantes”

Em outra postagem, a PM afirma que ainda existem apenas 200 vagas para o plano trimestral de assinatura de conteúdo. Na mesma postagem, como benefícios, Yolanda destaca: lives, fotos sensuais, vídeos e fantasias.

Após o depoimento de Yolanda, a corregedoria da polícia agora irá instaurar um inquérito para averiguar que crimes a PM irá responder.

“Gente, to vindo aqui falar para vocês que eu não estou presa tá? Não estou. Estão divulgando pelos Whatssaps da vida… Juntando a foto minha fardada com postagens do Instagram. Não tem nada a ver, não tem vínculo nenhum. Não está acontecendo nada, pelo amor de Deus. Tem muita gente maldosa. Eu vim aqui explicar que nunca fiz nenhum vídeo pornográfico e não tenho nenhum tipo de conteúdo que fere a Polícia Militar. A minha profissão é uma coisa e a minha vida pessoal é outra” declarou.

Plantão dos Lagos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.