Pular para o conteúdo principal

CIRO CHAMA BOLSONARO DE CRETINO E DIZ QUE LULA É RESPONSÁVEL POR SUA ELEIÇÃO

 

Ci

Com uma plateia de cerca de 70 jovens estagiários e aprendizes, Ciro Gomes (PDT) foi o primeiro dos presidenciáveis a participar da sabatina do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), em São Paulo, nesta segunda-feira, 12. Seu discurso foi marcado por fortes críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao PT e ao presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição. “Nunca respondi por processo de corrupção, nem para ser absolvido, e não tenho filho respondendo por nada na Justiça”, provoca.

Para ele, Bolsonaro só foi eleito em 2018 pela aversão da sociedade brasileira ao petista. “Bolsonaro era um deputado cretino, de baixo clero, que roubava dinheiro até da gasolina de seu gabinete, tinha funcionários fantasmas. Não tinha proposta nenhuma. Por que foi eleito nesta proporção? Foi o encontro terrível da mais grave crise econômica da história brasileira, que Lula produziu, junto com o escândalo generalizado que Lula transformou a corrupção no centro do seu modelo de poder”, ataca.

Ele atribuiu o aumento dos casos de violência aos dois candidatos à frente das pesquisas eleitorais, sem citá-los diretamente. Pela falta de propostas, resta a eles “excitar os ódios e as paixões”. “A política não é paixão e ódio e os responsáveis por isso não pagam porque andam cercado de segurança”, diz. “É só insulto e agressão, porque nenhum deles tem coerência para dizer que são a causa do problema”, afirma, complementando que está “lutando para desarmar essa bomba”.

É pelo fato de “a corrupção estar nos dois lados” que Ciro não votaria em nenhum dos dois em um eventual segundo turno. “Não concordo com nada que Lula representa. Não concordo com nada que Bolsonaro representa. Sou obrigado, numa democracia, a votar em um dos dois corruptos? Não voto”, argumenta.

O candidato, ex-ministro da Fazenda, disse ainda existe um “delírio de Bolsonaro” dar um golpe no País. “Ele gostaria de ter deflagrado no 7 de setembro, porque misturou o comício dele com as Forças Armadas”, afirma. Porém, não acredita ser viável, pela falta de apoio político, social, econômico e internacional, como havia em 1964. Porém, defendeu que “se militar for tentar golpe no Brasil, eu presidente da república, serão enfrentados do jeito que for necessário”.

Educação

À exceção de um rápido desentendimento com o jornalista Carlos Nascimento, que fazia a mediação do evento, Ciro se mostrou como a solução para vencer o ódio político, a polarização e revolucionar a economia, a desigualdade social e a educação do País em poucos anos, se eleito. Ele planeja aplicar a fórmula que usou no Ceará, estado em que governou na década de 1990 e foi secretário de saúde, entre 2013 e 2015.

A ideia é ampliar a quantidade de escolas em tempo integral e inserir os jovens no mercado de trabalho, com cursos profissionalizantes na área de informática. Os estudantes ficaram entre 8 e 10 horas na escola e teriam cinco refeições diárias. “Precisamos acudir essa juventude e só se faz com escola tempo integral, profissionalizante, encantadora. Estou propondo uma experiência que já é realidade no Ceará, que tenho orgulho de ter ajudado a construir”, afirma.

O candidato prometeu ainda colocar a educação brasileira entre as 10 melhores do mundo nos próximos 15 anos. Alguns dos caminhos para esse projeto são, segundo ele, a mudança da metodologia “decoreba” e a aliança com o mundo digital, a partir do treinamento dos professores. O objetivo é resolver a “contradição do jovem” de se inserir no mercado de trabalho.

“Ele não consegue o primeiro emprego porque não tem experiência e não tem experiência porque não tem o primeiro emprego. Nos primeiros seis meses, com estágio remunerado pelo governo, a gente resolve isso”, garante.

Fonte: Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.