Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÃO SEM DEBATE


Por Ricardo Corrêa


A declaração do presidente Jair Bolsonaro (PL) de que não pretende comparecer a debates no primeiro turno das eleições de 2022 para não levar pancada, aliada às já reiteradas observações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que deveria haver apenas dois ou três encontros compartilhados por vários veículos indica uma eleição sem debate. 

A ausência dos dois em encontros de candidatos representa muito bem o que vemos até aqui na corrida eleitoral, polarizada em torno das personalidades dos dois líderes das pesquisas e sem uma real discussão sobre o momento vivido pelo país.

Em geral, eleições no Brasil têm pouca proposta e muita discussão. Essa, porém, apresenta esse quadro ampliado. Não apenas não se discutem as ideias que podem tirar o Brasil da atual situação difícil, como qualquer crítica ou reparo à atuação dos dois líderes nas pesquisas gera reação radical e grosseira nas redes ou em qualquer local que o faça. Assim tem sido também, aos poucos, com Ciro Gomes, terceiro colocado, que já cultiva uma militância igualmente feroz na defesa de seu candidato.

Sobre Ciro, aliás, já disse aqui que foi o primeiro a apresentar de fato um projeto de país. Cada vez mais, porém, suas ideias de Brasil perdem o espaço para um debate e ataques mais rasos às personalidades dos dois líderes das pesquisas. Também a terceira via pensa em nomes primeiro e em projetos depois. Simone Tebet até trabalha agora em seu plano de governo, mas a união dos partidos de centro se deu apenas em torno de um debate sobre qual era o candidato mais rejeitado. Ideias de país ficaram em segundo plano.

Sobre os debates em si, sempre foi bem óbvio que Bolsonaro morre de medo deles. Em 2018, sob o argumento de que ainda se recuperava do atentado que quase tirou sua vida em Juiz de Fora, o atual presidente não compareceu a nenhum encontro no segundo turno. E é evidente que não o fez por estar em primeiro e não querer correr riscos àquela altura. Lula, por sua vez, embora diga que gostaria de participar, cria uma exigência que sabe que ninguém vai cumprir. Assim, desiste de debates atribuindo o problema aos veículos de comunicação. Líder das pesquisas, tal qual Bolsonaro em 2018, ele não quer correr o risco de ajudar ninguém a crescer em cima dele.

Essa ausência em debates dos dois primeiros colocados só é possível pois ambos estão satisfeitos com a disputa atualmente polarizada. Eles não querem que ninguém mais participe dessa batalha. E, além disso, sabem que suas militâncias estão tão envolvidas nessa polarização e tiveram tanto sucesso em sufocar qualquer debate fora disso que não ir aos encontros não gerará qualquer consequência. Pouca gente vai questionar suas ausências pois o que está em jogo é apenas um plebiscito entre o governo de Lula e o de Bolsonaro e, mais que isso, uma batalha de rejeições. Ninguém se importa com que os dois têm de ideias para uma próxima gestão. As pessoas, cada um de seu lado, só querem saber como fazer para impedir que um deles chegue à presidência.


*Ricardo Corrêa é Editor de Política de O TEMPO.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.