Pular para o conteúdo principal

DATAFOLHA: LULA TEM 51% , CONTRA 20% DE BOLSONARO ENTRE JOVENS DE CAPITAIS. CIRO GOMES É O MENOS REJEITADO


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera a disputa para a sucessão de Jair Bolsonaro (PL) entre adolescentes e jovens de 12 capitais, aponta o Datafolha. O petista tem 51%, ante 20% do presidente e 12% do pedetista Ciro Gomes. As informações são da Folha de S. Paulo.

O instituto fez perguntas sobre eleição e política a pessoas de 16 a 29 anos nos dias 20 e 21 de julho, numa pesquisa à parte de seu levantamento periódico sobre a corrida presidencial, que está sendo realizado nesta semana em todo o país e será divulgado na tarde desta quinta-feira (28).

Nesta pesquisa em separado com jovens, foram ouvidos 935 eleitores desta faixa etária em São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Curitiba, Goiânia, Brasília, Manaus e Belém.

A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos, e o trabalho está registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o número 05688/2022.

O resultado guarda semelhança com o aferido nacionalmente na rodada anterior da pesquisa ampla do Datafolha, ainda que os levantamentos não possam ser diretamente comparáveis.

Em junho, o estrato mais jovem da amostra da pesquisa, de 16 a 24 anos, apontava Lula com 54%, Bolsonaro com 24% e Ciro, com 10%. Esse grupo representa 15% da população.

Essa pesquisa à parte mostra outros candidatos bem abaixo, repetindo a tendência nacional.

André Janones (Avante) tem 2%, Simone Tebet (MDB), Vera Lúcia (PSTU), Pablo Marçal (Pros), Leonardo Péricles (UP) e Sofia Manzano (PCB) somam 1%. Não pontuam Eymael (DC), Luciano Bivar (UB), General Santos Cruz (Podemos) e Felipe D'Ávila (Novo).

Na pesquisa espontânea, quando o entrevistado é questionado sobre sua preferência sem ter uma lista de candidatos à mão, Lula tem 41% de citações, Bolsonaro, 17%, e Ciro, 3%. Aqui, 25% dizem não saber ainda em quem votarão e 13%, que não apoiarão ninguém.



​Lula tem melhor desempenho entre jovens mulheres: 58%, ante 16% de Bolsonaro e 10%, de Ciro. Entre homens, marca 44%, enquanto o presidente tem 24% e o pedetista, 14%.

O atual ocupante do Planalto ultrapassa numericamente o antecessor entre evangélicos, num empate técnico improvável no limite máximo da margem de erro no qual tem 36% e Lula, 30%.

O Datafolha quis saber as preferências dos jovens no primeiro turno de acordo com seu posicionamento político declarado, que se mostrou homogêneo: 32% se dizem de esquerda, 30%, de centro, e 33%, de direita, os campos aqui compreendendo o espectro do centro ao extremo.

Entre os direitistas, Bolsonaro tem vantagem sobre Lula: 42% a 35%, com Ciro marcando 7%. Previsivelmente, na esquerda o petista marca 78% das intenções de voto, seguido pelo pedetista (11%) e pelo presidente (4%). No centro, o ex-presidente tem 40%, o ex-ministro 19% e o presidente, 14%.

Em uma simulação única de segundo turno, entre Lula e Bolsonaro, 61% dizem votar no petista e 27%, no candidato do PL. Os votos de Ciro Gomes aqui vão majoritariamente para Lula, com 52% de seus apoiadores dizendo votar no ex-presidente e 25%, no atual.



O presidente é o candidato mais rejeitado, entre os principais concorrentes. Não votariam de jeito nenhum nele 67% dos ouvidos, ante 32% que falam o mesmo de Lula e 22%, de Ciro Gomes.




Tal percepção é ainda superior à rejeição ao governo de Bolsonaro: consideram o titular do Planalto ruim ou péssimo 55%.



Na população em geral, ressalvando que são pesquisas diferentes, em junho 47% o reprovavam. Para 31% dos ouvidos, Bolsonaro faz um governo regular, e apenas 13% o aprovam, considerando sua gestão ótima ou boa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.