Pular para o conteúdo principal

PESQUISA: SEXO EM PÚBLICO É O FETICHE PREFERIDO PELOS BRASILEIROS

 


Em pesquisa elaborada pela SexLog sobre fetiches, 45% dos participantes têm como principal fantasia realizar sexo em local público. Outras práticas citadas foram a dominação, com 11,5% dos votos, a submissão, com 6,9% dos votos, e o ato de amarrar outra pessoa, com 4,6% dos votos.

Trata-se de uma rede social que conecta pessoas com interesses em comum relacionados ao sexo. Atualmente, a plataforma conta com mais de 17 milhões de usuários e elabora pesquisas constantemente. A mais recente surgiu por causa de debates no Twitter.

“Eu estava passando pelo Twitter, vi que as pessoas estavam falando sobre fetiches e resolvi fazer a enquete na SexLog. Essa foi uma pesquisa sobre fetiches em geral e teve 12.425 respostas completas”, conta Mayumi Sato, sócia e diretora de marketing da plataforma, ao Metrópoles.

As respostas da análise vieram majoritariamente de homens cisgêneros, que representaram 83% dos participantes. “Os números são um reflexo de qualquer plataforma ou site que fala sobre sexo, que atrai mais homens que mulheres. Na SexLog, 40% dos perfis são de casais, 10% de mulheres solteiras e 50% de homens solteiros. O perfil dos casais é majoritariamente heterossexual e acontece das mulheres ficarem mais tímidas em expor seus desejos e responderem que os homens”, explica.

Mayumi trabalha com o assunto há mais de sete anos. “Era mais fácil as pessoas responderem que gostam mais de assistir do que de se exibir. Aos poucos, a gente vê que vai normalizando essa coisa do exibicionismo. Todas as redes sociais normalizaram as pessoas como protagonistas e como motor de desejo para o outro. Na medida em que o Instagram foi avançando, as pessoas se apropriaram mais desse lugar de protagonismo no prazer”, completa.

Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.