Pular para o conteúdo principal

MULHER DENUNCIA HOMEM APÓS VAZAMENTO DE VÍDEO ÍNTIMO: "FOI COVARDE"

 “Acabaram com a minha vida. Não consigo trabalhar e sair na rua”. Assim, a auxiliar administrativa Thalyssa Oliveira Araújo, de 26 anos, define o que tem sido as últimas semanas após ter vídeos íntimos vazados nas redes sociais, em Planaltina (GO), no Entorno do Distrito Federal. O autor das gravações seria o vendedor de carros Rafael Portilho Xavier, 40. O caso é investigado pela Polícia Civil de Goiás (PCGO).

O suspeito é sobrinho do ex-prefeito de Planaltina Ronaldo Portilho, e irmão de um ex-vereador da cidade. Após as denúncias, Rafael teria se mudado para a Bahia.

Ao Metrópoles, a vítima contou que conhecia o homem apenas de vista. “Nunca tinha passado de um ‘oi, tudo bem?”. No último dia 31, aproveitando o final das férias, Thalyssa decidiu ir a um bar da cidade com amigos. No local, acabou encontrado por acaso com o investigado.

Em rápida conversa, eles combinaram de continuar bebendo. Foi, então, que ambos decidiram ir para casa de uma amiga da vítima. “Continuamos bebendo e extrapolei. Até então, eu queria ficar com ele e fui no carro dele até a casa da minha amiga. Tudo isso com meu consentimento”.

Após um tempo, os dois decidiram ir para um hotel. “Ele disse que estava recém-separado, morando em hotel e me convidou”. No local, o casal manteve relação sexual. No entanto, durante o ato, Rafael teria realizado a gravação de forma criminosa e sem consentimento de Thalyssa. “Eu estava muito embriagada, e não consegui ver a gravação. Ele gravou e não fiquei sabendo”.

No outro dia, os dois continuaram juntos na casa de amigos, quando chegou a notícia de que um vídeo estava circulando. “Ele ali comigo ainda falou assim: ‘Deixa eu te falar uma coisa: parece que está rolando um vídeo nosso na cidade’. Na hora, entrei em desespero”, diz.

A gravação logo se espalhou pelas redes sociais. “Ele falou para o meu irmão que foi enviar um documento para uma pessoa e acabou enviando o vídeo sem querer”, complementa.

Tentativa de suicídio

Abalada com a exposição, a vítima conta ter tentado o suicídio. “Na sexta-feira, quando deu 11h, eu peguei três caixas de remédio controlado para dormir, tarja preta, e tomei”, revela. Dentro de 10 minutos, a jovem apagou. Thalyssa acordou apenas no domingo (5/6), às 13h, no hospital.

“Pessoas de todos os lugares que não me conhecem estão acabando comigo, falando que eu era amante de um homem casado, me chamando de garota de programa e muitas outras coisas”, lamenta.

“Acabaram com a minha vida. Não param de infernizar minha família com contas fakes mandando os vídeos. Todo mundo está passando mal pelo abalo emocional. Não consigo trabalhar e sair”, finaliza.

Investigação

O caso foi registrado na Delegacia Planaltina de Goiás. Segundo o delegado Thiago César de Oliveira Silva, um desfecho deve ocorrer nos próximos dias. “Nós estamos investigado. Já foi instaurado inquérito e ouvimos todos os envolvidos”, aponta.

Rafael Portilho pode ser indiciado com base no Artigo nº 218 do Código Penal, que dispõe sobre “oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha cena de estupro ou de estupro de vulnerável ou que faça apologia ou induza a sua prática, ou, sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia”.

A pena corresponde a reclusão de 1 a 5 anos. Segundo a lei, o caso pode sofrer aumento de pena de um a dois terços se o delito for praticado por “agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação”.

Outro lado

O Metrópoles entrou em contato com o suspeito de gravar as imagens, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O espaço segue em aberto para possíveis manifestações.

Metrópoles


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.