Pular para o conteúdo principal

ASSASINATO DE VEREADOR EM SERRA TALHADA(PE) PODE TER RELAÇÃO COM RIXA HISTÓRICA ENTRE FAMÍLIAS DESDE OS ANOS 70


Foto/Reprodução 

O assassinato do vereador Zé Dida Gaia (PP), 51 anos, nesta quarta-feira (1°), em Serra Talhada, a 410 km do Recife, ppde ter relação com brigas históricas entre famílias. A família Gaia, a qual pertencia o vereador vive em conflitos com a Famílias Oliveira e Carvalhos desde os anos 70. As informações são da Folha de Pernambuco e Blog do Magno.

Vilmar Gaia, primo do vereador assasinado, foi considerado o "Novo Lampião" nas décadas de 70 e 80, e foi acusado de uma série de assasinatos e chacinas no sertão pernambucano.



Zé Dida Gaia estava no seu primeiro mandato, teve 1.070 votos nas eleições de 2020. Policial reformado, ingressou na política para substituir o pai Edmundo Gaia, que teve quatro mandatos na Câmara Municipal.

MP REUNIU FAMÍLIAS PARA TENTAR EVITAR DERRAMAMENTO DE SANGUE

Em 2018 , o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) reuniu membros das respectivas famílias, em Serra Talhada, cujos boatos que corriam na cidade envolviam crimes de assassinato e possibilidade de vingança. Os promotores de Justiça Felipe Akel, que atua em Serra Talhada, e Rodrigo Amorim, de Belém do São Francisco, avaliaram o resultado como positivo por perceberem que houve entendimento e disposição dos presentes para esclarecer os fatos e dissipar qualquer vestígio de rixa entre as famílias Gaia e Oliveira. Também participaram integrantes locais das polícias Civil e Militar.

Havia uma preocupação do Governo do Estado que o assassinato de pessoas pertencentes à família Gaia pudesse detonar uma onda de revanchismos na região.

Na época foi disseminado em Serra Talhada que José Oliveira, comerciante da cidade, teria sido alvo de ameaças por integrantes da família Gaia. Os boatos estavam fortes entre os habitantes, o que causou preocupação às autoridades policiais e ao MPPE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.