Pular para o conteúdo principal

A COMBINAÇÃO DA POLARIZAÇÃO: NA FRENTE NAS PESQUISAS, BOLSONARO E LULA NÃO DEVEM IR A DEBATES NO 1º TURNO

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT) estudam a possibilidade de não comparecer aos debates do primeiro turno das eleições deste ano. Os dois lideram as pesquisas eleitorais com larga vantagem sobre os demais candidatos e são os mais cotados para avançar para o segundo turno.

Nesta terça-feira (31), Bolsonaro afirmou, em entrevista à rádio Massa FM, que ainda está analisando a possibilidade de comparecer aos debates do primeiro turno. Segundo o presidente, ele pode acabar virando alvo de “pancada” dos demais candidatos.

Bolsonaro, no entanto, disse que a participação nos debates do segundo turno está garantida.

“Do segundo turno vou participar. Do primeiro turno a gente pensa. […] Os outros dez candidatos vão querer dar pancada em mim. Vamos analisar isso aí. As perguntas tinham que ser alinhadas com quem realiza o debate para evitar baixar o nível.”

A CNN apurou que o ex-presidente Lula (PT) não deve participar de debates no primeiro turno caso Bolsonaro não esteja presente.

No começo do ano, o petista havia defendido a adoção de um modelo de debate eleitoral semelhante ao que ocorre nos Estados Unidos, reunido diversos veículos de imprensa em um único debate. Em janeiro, durante entrevista a uma emissora de rádio do Pará, o petista sugeriu que fossem realizados “dois ou três debates”.

“Eu acho que tem que ter um pool de TVs para fazer dois ou três debates, porque não dá para atender cada TV, rádio, rede social, se não a gente se tranca no estúdio. Os debates são importantes para que a sociedade possa fazer a avaliação de que tipo de candidato ela deseja”, afirmou.

Até o momento, pelo menos nove debates estão previstos por veículos de imprensa só no primeiro turno.

CNN Brasil


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.