Pular para o conteúdo principal

EMPREENDEDOR DE IPUEIRA PASSA A PRODUZIR CARVÃO ESPECIALCOM APOIO DO SEBRAE

 

A pandemia do coronavírus afetou muitos negócios e um dos setores prejudicados foi o de eventos, pela paralisação das programações por dois anos. Um dos afetados foi Willames Pereira de Azevedo foi um desses empreendedores que teve de paralisar as atividades negócio após 30 anos, no município de Ipueira (RN), sem possibilidade de seguir com os serviços de sonorização e estrutura armada para eventos e shows. Porém, o que para muitos foi um momento de falência e desespero, para Willames foi de oportunidade, pois enxergou o momento certo de mudar de negócio e partiu para a produção de carvão vegetal.

“30 anos foi (um tempo) muito bom e eu não posso reclamar. Eu fiz amizades e boas parcerias. Eu já tinha vontade de sair (do setor de eventos) por causa da correria daquele negócio. E aí, com a pandemia, que muitas empresas declararam falência, eu já tinha o projeto do carvão vegetal. Tem pouca gente fazendo, tenho pouco concorrentes e a maioria produz de forma muito rudimentar, sem o cuidado com o meio ambiente”, destacou Willames.

O ipueirense relata que tudo começou com uma pesquisa de mercado, que mostrou ser um negócio promissor. “Eu comecei a pesquisar no comércio, comecei a comprar o carvão que era produzido aqui e avaliar. Eu tinha uma noção básica sobre o carvão vegetal e parti para pesquisar na internet. Busquei saber quem eram os principais fornecedores na região e as tecnologias que utilizavam”, observa

Porém, foi a partir do Inova, projeto desenvolvido em Ipueira pelo Município em parceria com o Sebrae no Rio Grande do Norte, que o empreendedor fez seu negócio avançar. Nesses dois anos, ele teve acesso a consultorias nas áreas de licenciamento ambiental, registro de patentes e acesso ao mercado.

Um dos diferenciais do produtor foi aproveitar os subprodutos do carvão que são descartados em outras carvoarias, prejudicando o meio ambiente. “O impacto ambiental é muito grande com esses resíduos gerados. A gente conseguiu solucionar isso retirando a umidade da madeira e diminuindo os gases da carbonização, a partir da coleta do extrato pirolenhoso e o alcatrão. A gente já consegue diminuir em 60% a quantidade de gases emitidos a partir de um sistema desenvolvido por nós mesmos” explica Willames. O extrato pirolenhoso é um produto utilizado na agricultura, sendo utilizado também na pecuária como pesticida, carrapaticida, entre outras funções.

Outro cuidado do empreendedor é com o resíduo do pó do carvão. A carbonização de um forno produz três tipos de carvão. Além do carvão grosso, que é comercializado para aquecimento de fornalhas e de padarias, Willames produz um carvão especial fino, que é comercializado em embalagens menores e mais utilizado para churrasco, e os briquetes de carvão, muito comercializados para quem mora em apartamento devido ser o que produz menos fumaça e tem um teor muito alto de temperatura e durabilidade.

O mix de produtos também inclui o biochar, um carvão totalmente triturado muito utilizando em jardinagem.

A partir do Inova, o produtor tem 90% de subsídio nas consultorias, um investimento do Sebrae com a prefeitura de Ipueira. “Eu não posso esquecer do Sebrae porque foi a luz no fim do túnel. Que alertou que eu tinha que partir para a legalização”, enfatizou o empreendedor.

Com as consultorias, Willames está começando a patentear as máquinas que ele mesmo desenvolve. Esse é um outro empreendimento do ipueirense: pretende produzir e comercializar outras carvoarias máquinas similares as que ele criou para a sua produção. Uma das máquinas faz o empacotamento e separação do carvão. A outra tritura o resíduo da separação que não é utilizado como carvão e produz o biochar e os briquetes.

O próximo passo do negócio é a ampliações dos fornos. “Nesses próximos cinco anos a gente quer criar um complexo concentrando os fornos de produção de carvão, o empacotamento, a produção dos briquetes, de biochar e a oficina de fabricação de máquinas. Com isso eu espero dobrar a geração de emprego em meu município”, diz Willames.

Outro cuidado do produtor é com a compra da madeira legalizada para ser a matéria prima para o carvão. A produção de Ipueira já está chegando a três estados: Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba

De Wllana Dantas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.