Pular para o conteúdo principal

DISPUTA POR CADEIRA NO TCU AMEAÇA RACHAR A BASE DE SUSTENTAÇÃO DO GOVERNO BOLSONARO



Em meados de 2021, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Jorge Oliveira organizaram uma audiência reservada entre o presidente Jair Bolsonaro e a senadora Kátia Abreu (Progressistas). Era o início de um movimento político suprapartidário que reunia, além do próprio chefe do Executivo, apoios das bancadas de pelo menos cinco legendas para garantir o número de votos suficientes no Senado e eleger a parlamentar à vaga que seria aberta no TCU. A mobilização não era por acaso.

Desde o impeachment de Dilma Rousseff, quando uma decisão do tribunal forneceu o arcabouço jurídico das pedaladas fiscais que resultaram na deposição da petista, manter boas relações com a Corte e seus integrantes tornou-se imperativo. Foi mirando nisso que o nome de Kátia Abreu havia recebido as bênçãos do bolsonarismo. Mas havia outros interesses em jogo, outros grupos políticos que se mostrariam mais bem articulados, elegendo para o cargo o senador Antonio Anastasia (PSD-MG), impondo uma inesperada derrota ao governo. As informações são da Veja.

Na época, a reviravolta gerou uma fissura no núcleo político do Planalto. Dois dos principais expoentes do Progressistas, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e o presidente da Câmara dos Deputado, Arthur Lira, fizeram chegar a Jair Bolsonaro a informação de que a vitória de Anastasia foi precedida por uma traição da ministra Flávia Arruda (PL-DF), da Secretaria de Governo.

Para incentivar o voto em Anastasia, ela teria redirecionado milhões de reais em recursos do Orçamento para premiar senadores que apoiavam o parlamentar mineiro. A informação provocou um terremoto na relação entre Flávia, Ciro e Lira, além de ter abalado o prestígio que ela tinha junto ao presidente. “Ela não foi sumariamente demitida porque já estava acertada a sua desincompatibilização em março”, confidencia um importante assessor do Planalto. Agora, a disputa por influência na Corte promete novos rounds.

No fim deste mês, a ministra Ana Arraes se aposenta, abrindo mais uma vaga no TCU. Pelo regimento, a indicação ao posto agora cabe à Câmara dos Deputados. O embate, dessa vez, envolve dois importantes aliados do governo: Marcos Pereira, presidente do Republicanos, e Valdemar Costa Neto, presidente do PL, sigla que hoje abriga o chefe do Executivo e dois de seus filhos, o senador Eduardo Bolsonaro.

Embora haja pelo menos quatro parlamentares apresentados como candidatos ao posto, dois deles — um sob as bênçãos de Pereira e outro afiançado por Costa Neto — duelam na condição de favoritos. Pastor licenciado da Igreja Universal, Pereira apoiou a eleição de Arthur Lira à presidência da Câmara e hoje cobra a contrapartida, aguardando que Lira endosse o nome de seu apadrinhado para o TCU, o deputado Jhonatan de Jesus (RR). Mas existe um problema.

Cabo eleitoral do deputado alagoano na mesma campanha ao comando da Casa Legislativa, a deputada Soraya Santos (PL-RJ) é o nome de Costa Neto ao tribunal e, dizem interlocutores, também recebeu garantias de Arthur Lira de que sua candidatura teria a chancela da cúpula da Câmara.

Como o mesmo milagre foi prometido a dois santos, a eleição prevista no mais tardar para julho foi adiada, em princípio para depois das eleições de outubro. A justificativa é que a mudança de data vai permitir que se construa um consenso entre as candidaturas. Na verdade, os parlamentares querem usar a vaga no TCU como ativo para negociar.

Candidato natural a um novo mandato como presidente da Câmara, Lira teria a vaga no tribunal como mais um trunfo a fim de se manter no posto, seja Bolsonaro, seja Lula no Planalto. No caso de vitória do petista, a equação seria mais complexa, mas não de todo impossível. Lira estaria disposto a sentar à mesa com o vencedor nas urnas, eventualmente rifar tanto Jhonatan quanto Soraya e endossar um nome do futuro governo em troca de apoio na eleição interna do Congresso. Se der Bolsonaro, o acerto será ainda mais fácil.

Historicamente irrelevante, o TCU ganhou um ativismo inédito ao ampliar seu raio de ação e atuar em questões que pouco ou nada têm a ver com as contas públicas.  A Corte, por exemplo, criou enormes constrangimentos ao ex-juiz Sergio Moro ao decidir investigar as atividades profissionais dele na iniciativa privada. Recentemente, os ministros solicitaram apuração sobre as denúncias de assédio sexual contra o ex-presidente da Caixa, outro assunto que normalmente não seria tratado nessa esfera.  O fato é que o TCU hoje cresceu em importância. E a perspectiva de controlar esse poder tem gerado traições e conspirações entre aliados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

SEXO, DROGAS E MUITO AMOR. VÍDEO DE SOGRA DE PREFEITO DE CAMPINA GRANDE PROVOCA "FRISSON" NA PARAÍBA

Um vídeo onde a sogra do prefeito de Campina Grande, Soraya Brito, aparece em um motel cheirando cocaína explodiu como uma bomba na Paraíba essa manhã. Soraya Brito é a mãe de Juliana Cunha Lima, casada com o prefeito Bruno Cunha Lima (Solidariedade). Bruno Cunha Lima é sobrinho do ex-governador Cássio Cunha Lima, que foi um dos líderes nacionais do PSDB. O ex-senador vai lançar seu filho, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), como candidato ao governo do Estado. A gravação está sendo muito comentada nas redes sociais, e a hashtag #fofocadecampina é uma das mais citadas na região. Ninguém sabe a autoria do vídeo.

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.